Entidades discutem propostas para desenvolvimento de logística na Expointer

LOGÍSTICA

Entidades discutem propostas para desenvolvimento de logística na Expointer

Encontro ocorreu na Casa da Farsul
189 acessos

Entidades representativas dos setores produtivos do Rio Grande do Sul e empresários estiveram reunidos na Casa da Farsul, no Parque de Exposições Assis Brasil, nesta terça-feira, para discutir os desafios de logística para o escoamento da produção do estado. Durante o encontro, conduzido pelo diretor da Farsul, Fabio Avancini Rodrigues, as entidades discutiram propostas a serem levadas ao poder público para viabilizar o desenvolvimento dos principais modais de transporte.

Os problemas envolvendo ferrovias, hidrovias e rodovias foram os assuntos dominantes. O presidente do Sistema Farsul, Gedeão Pereira, ressaltou a importância da infraestrutura de transporte para a economia do estado: “Estamos projetando um crescimento da safra. Temos uma nova fronteira agrícola no Sul do estado que aumentou muito a sua área plantada, no entanto, a estrutura que nós temos é a mesma há anos”.

Sobre a questão das ferrovias, o grupo discutiu o fato de que apenas 1.823 km da malha gaúcha está apta, em um universo de 3.259 km de trilhos existentes. Desta forma, apenas 6% das cargas são movimentadas por este modal. Na reunião, Famurs, Farsul, Fecomércio, Federarroz discutiram o apoio a um documento apresentado pela Fiergs, a ser encaminhado ao Ministério dos Transportes e à ANTT, que pede a revisão dos planos de prorrogação da concessão de exploração ferroviária que está atualmente com a Rumo Logística, tendo em vista que a empresa tem promovido a desativação de ramais, cortando inclusive as ligações ferroviárias com o Mercosul:

"Apesar do aumento em mais de 30% da Produção Gaúcha, a movimentação de cargas ferroviárias no Rio Grande do Sul tem decaído ano a ano, estabilizando-se no volume de 8 a 9 milhões de toneladas/ano, muito aquém de sua capacidade potencial. Esta queda reflete o desestímulo da Concessionária em prospectar cargas e tem sido acompanhada pela desativação de vários ramais” relata o documento. “Precisamos ter a logística mais econômica e eficiente possível, e este modelo, como está, não serve”, diz o diretor da Fiergs, Ricardo Portela.

Em respeito a hidrovias, foram discutidas as propostas do Hidrovias RS, grupo criado por Famurs, Farsul, Fecomércio, Fiergs e empresas que se utilizam do transporte aquaviário interior, para estimular o desenvolvimento deste modelo de transporte. O grupo incentiva a mobilização de esforços dos setores público e privado para a atração de empreendimentos no entorno dos rios navegáveis, para assim viabilizar este modal.

Também é solicitado um modelo de serviço de dragagem que possibilite a navegação segura destes canais, tanto em transporte de cargas como de passageiros. A política de atração de empreendimentos pode até mesmo tornar o estado atrativo para ser um polo de logística global, integrando América do Sul, África e Ásia, destaca o diretor-presidente do grupo, Wilen Manteli.

Em relação às rodovias, foi discutido o prejuízo em função da falta de duplicação de estradas federais e demora para a finalização de obras já em execução, como por exemplo a BR-116. Os problemas seriam decorrentes do impacto do aumento nos custos da matéria-prima, levando à revisão dos contratos.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink