Pecuária

Equilíbrio das fontes de microminerais pode garantir o bom funcionamento do Rúmen

Você já deve ter escutado o ditado, que a diferença entre o remédio e o veneno é a dosagem ingerida
Por:
14 acessos

Você já deve ter escutado o ditado, que a diferença entre o remédio e o veneno é a dosagem ingerida. Ao falar em fontes minerais na nutrição dos ruminantes, podemos ter a mesma percepção. O rúmen é constituindo aproximadamente por 60% do volume total do estômago de uma vaca adulta e pode ser considerado um imenso tanque de fermentação (aproximadamente 150 litros).

A ruminação reduz o tamanho das partículas dos alimentos e provoca o fluxo de saliva, o que mantém um pH favorável para os microrganismos e para os animais. Contrações musculares bem regulares (aproximadamente três por minuto) misturam o conteúdo do rúmen e previnem contra o excesso de gás por meio da eructação. A obtenção de sucesso é uma questão de manter o movimento de mistura, a mastigação, o fluxo de saliva e o pH em equilíbrio.

Com a necessária ausência de oxigênio, o conteúdo do rúmen possui entre 1.010 e 1.011 bactérias por grama. Essas bactérias são responsáveis por decompor materiais alimentares degradáveis para produzir ácidos graxos voláteis (AGVs) e amônia. A amônia produzida é usada como fonte de nitrogênio pelos microrganismos do rúmen, que se torna uma fonte de proteína de alta qualidade para o animal. Já os AGVs são usados como fonte de energia pelo animal.
Considerações nutricionais

Quando o assunto são os nutrientes da dieta, é importante considerar também proteína, gordura e vitaminas. Além de amônia, a fermentação de proteínas naturais fornece aminoácidos, peptídeos e AGVs de cadeia ramificada, que podem estimular o crescimento bacteriano.

Obter um equilíbrio apropriado é de extrema importância e a formulação correta da dieta pode ajudar a alcançar diferentes níveis de produção. Os microrganismos do rúmen também sintetizam as vitaminas K e do complexo B. Entretanto, as vitaminas A, D, e E devem ser suplementadas para os ruminantes rotineiramente.

Por fim, as vacas em lactação requerem teores ideais de zinco, manganês e cobre para maximizar a eficiência produtiva. Pesquisas demonstraram que a substituição de uma parte da fonte mineral sob forma de sulfato pela forma exclusiva dos microminerais contidos no Zinpro Performance Minerals® pode ajudar a minimizar o impacto negativo que o zinco, cobre, e, potencialmente, o manganês podem ter sobre a fermentação no rúmen. Os Zinpro Performance Minerals são estáveis no rúmen e pesquisas demonstraram que essa forma exclusiva de microminerais diminuiu a interação com antagonistas por meio do trato gastrointestinal, e, então, aumentou a absorção no intestino delgado.

Mais especificamente, em uma série de ensaios de fermentação contínua, pesquisas da Zinpro demonstraram que a modificação da fonte e dos teores de inclusão de microminerais suplementares podem melhorar a eficiência da produção microbiana significativamente.

Resumindo, o rúmen é uma adaptação do animal altamente especializada e eficiente para usar celulose e outros nutrientes que, de outro modo, estariam indisponíveis ao animal. A obtenção do equilíbrio correto de nutrientes sob a forma, bem como a quantidade adequada, é a chave para maximizar o funcionamento do rúmen e o desempenho do animal. Diante disso, chegou a hora de criar ótimos ambientes ruminais para serem projetados ao alto desempenho.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink