Estudo diz que liderança nos biocombustíveis pode estar ameaçada
CI
Agronegócio

Estudo diz que liderança nos biocombustíveis pode estar ameaçada

As forças desencadeadas pela demanda global vão representar um desafio para o Brasil
Por:

Com a tinta ainda fresca no acordo de cooperação firmado entre os Estados Unidos e o Brasil, para promover o uso do etanol, recente relatório da empresa de consultoria McKinsey examina se o Brasil poderá manter a liderança mundial no potencialmente lucrativo negócio das fontes de energias alternativas. O Brasil conta com consideráveis vantagens em relação a outros prováveis competidores - o País dispõe de uma vantagem inicial no desenvolvimento e na aplicação dessa tecnologia: os baixos custos de produção do etanol e muitas terras disponíveis para cultivo de cana-de-açúcar.

Embora o País tenha sido capaz de administrar o seu consumo doméstico de etanol, produzindo atualmente 16,7 bilhões de litros anuais, as forças desencadeadas pela demanda global vão representar um desafio para o Brasil, segundo o relatório da McKinsey.

Dependendo da demanda internacional, que poderá impulsionar as exportações mundiais entre 6,8 bilhões de litros para mais de 26,5 bilhões de litros de etanol até 2020, o setor de etanol brasileiro poderá exigir investimentos da ordem de US$ 100 bilhões para melhorar a sua capacidade de exportação, diz o relatório. "Os ganhos de produtivi-dade a ser obtidos com irrigação e fertilização e mecanização das colheitas deverão aumentar a produção em 30% em15 anos. O restante deve vir de investimentos em terras, em infra-estrutura de distribuição e, acima de tudo, em usinas".


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink