Etanol de resíduos agrícolas já está nas bombas da Dinamarca

Agronegócio

Etanol de resíduos agrícolas já está nas bombas da Dinamarca

País é o primeiro a disponibilizar biocombustíveis automotivos feitos de palha de trigo adicionados à gasolina
Por:
278 acessos

Copenhage - A Dinamarca é o primeiro país do mundo a disponibilizar biocombustíveis automotivos feitos de palha de trigo adicionados à gasolina nos postos de abastecimento. O novo biocombustível foi lançado pela multinacional norueguesa, Statoil, e é constituído por 5% de etanol celulósico de resíduos agrícolas e 95% de gasolina. Pelo menos cem postos fazem a distribuição inicialmente no país. Uma das empresas responsáveis pelo desenvolvimento da tecnologia para fabricar etanol celulósico, Novozymes, informa que o produto apresenta o mesmo rendimento da gasolina pura. A Novozymes tem uma unidade em Araucária, região de Curitiba, e os estudos realizados no Brasil com o bagaço da cana-de-açúcar também contribuíram para o sucesso do novo produto.

"Este biocombustível traz um enorme potencial para a sociedade", afirmou o presidente global da Novozymes, Steen Riisgaard. "Se for implantado em grande escala, criará empregos, combaterá a mudança climática e trará uma melhoria radical para a independência energética da Europa", disse ele. Ainda segundo Riisgaard, as empresas envolvidas estão sinalizando a políticos e governantes que é preciso dar apoio à nova tecnologia para que todas as pessoas possam se beneficiar dela. Um estudo recente realizado pela Bloomberg New Energy Finance revela que o biocombustível poderá criar até um milhão de empregos nos 27 países da União Européia na próxima década. Seria possível reduzir 50% das emissões de CO2 geradas pelo transporte rodoviário da região em 2020. "Ao converter os resíduos agrícolas em etanol, também a China poderá reduzir 31 milhões de toneladas do seu consumo de gasolina em 2020, o que levará a cerca de 10% de redução da sua dependência em gasolina importada. Ao mesmo tempo, o setor criará seis milhões de empregos diretos, resultando em um aumento de renda de cerca de 4,7 bilhões de dólares norte-americanos", acrescentou Riisgaard.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink