Europa perde espaço na corrida da “carne artificial”
CI
Imagem: Pixabay
MUNDO

Europa perde espaço na corrida da “carne artificial”

Primeira aprovação ocorreu em Cingapura
Por: -Leonardo Gottems

Quando Cingapura se tornou o primeiro país a aprovar o consumo e a venda comercial de carne cultivada em laboratório neste mês, alguns especialistas europeus passaram a afirmar que o continente estava atrasado nessa “corrida”, segundo o que afirmou o portal internacional bioeconomia.info. “O que está acontecendo em Cingapura deveria ter acontecido na Europa”, disse Ira van Eelen, assessora do conselho da Eat Just, empresa que produziu o frango crescido em laboratório em Cingapura. 

A experiência da Eat Just reflete o que os especialistas da indústria descrevem como um continente muito relutante e muito lento para adotar tecnologias que possam reduzir as emissões no setor agrícola e sustentar a segurança alimentar, duas das prioridades declaradas pela UE no 'Acordo Verde'. A carne cultivada em laboratório, também conhecida como carne celular ou carne livre de abate, é produzida com células-tronco retiradas de um animal e depois cultivadas em um grande "biorreator" de aço. As células então se movem em um gel aquoso onde se multiplicam para construir o tecido fibroso. 

A recente aprovação de Cingapura indica que a tecnologia pode ser comercialmente viável, após ter sido considerada muito cara por muito tempo. O jantar com nugget de frango com quatro pratos no Restaurante 1880 custa US $ 23 e os preços devem cair ainda mais. 

Mas enquanto a Ásia, os Estados Unidos e até o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu  entram no trem da carne sem abate, os legisladores europeus mostram menos apetite por tecnologia. 

"Esta é realmente a sociedade que queremos para nossos filhos?" O ministro da Agricultura da França , Julien Denormandie, tuitou em reação à estreia do Eat Just em Cingapura. "Eu não. Eu digo isso claramente, ”Denormandie continuou. “A carne vem da vida, não de laboratórios. Conte comigo que na França a carne permanecerá natural e nunca artificial!”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink