Europeu pode evitar milho transgênico da Syngenta
CI
Agronegócio

Europeu pode evitar milho transgênico da Syngenta

Por:

A Syngenta terá dificuldade para fazer os varejistas e os consumidores europeus aceitarem seu milho doce geneticamente modificado, que a União Européia (UE) aprovou para importação ontem, segundo analistas e redes de supermercados.

"Nós vamos evitar alimentos transgênicos porque os consumidores não os querem", diz Urs Peter Naef, porta-voz da Federação de Cooperativas da Migros, maior varejista da Suíça, com vendas anuais de 20 bilhões de francos suíços (US$ 15,64 bilhões). O milho da Syngenta, conhecido como milho doce Bt11, é resistente à praga da broca do milho e foi aprovado na Suíça.

Após persuadir a Comissão Européia (CE) a relaxar um veto de seis anos sobre os alimentos transgênicos, a Syngenta, sediada em Basiléia, Suíça, tem de convencer os europeus sobre seus benefícios, informam analistas. Embora o produto seja usado principalmente como milho na espiga nos Estados Unidos e no Canadá, será provavelmente vendido em lata ou congelado na Europa. Os produtores europeus ainda não poderão cultivar o milho e a aprovação de comercialização terá vigência de 10 anos.

A CE, que é o braço executivo da UE de 25 países, foi autorizada a relaxar as restrições depois que os ministros nacionais de agricultura racharam sobre o tema e o bloco introduziu regras de rotulagem para alimentos biotecnológicos no mês passado. "Esse é um dia importante para a variedade de opções dos consumidores da UE", disse o comissário da Saúde, David Byrne, em Bruxelas.

A aprovação é a primeira que a UE concede para um produto transgênico desde que o veto foi imposto por uma coalizão, encabeçada pela França, de países em 1998. A CE cogita liberar 20 produtos transgênicos, incluindo alguns de produtoras como a Bayer e a Monsanto. A Syngenta também solicitou permissão para cultivar milho do campo e milho doce. Os produtos transgênicos foram responsáveis por 3% da receita de US$ 6,6 bilhões da Syngenta no ano passado. A produtora investiu US$ 146 milhões no ano passado em pesquisa biotecnológica. As ações da Syngenta subiram 1,50 franco suíço, ou 1,5%, fechando em 102 francos em Zurique.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink