Exportação de couro supera a de calçados

Agronegócio

Exportação de couro supera a de calçados

Os embarques somaram o valor recorde de US$ 1,12 bilhão no primeiro semestre
Por: -Giuliano
3 acessos

O couro já é um dos principais itens da pauta de exportações do Brasil. Os embarques somaram o valor recorde de US$ 1,12 bilhão no primeiro semestre deste ano, superando em 12% as exportações de calçados, que totalizaram US$ 998 milhões no período, conforme cálculos do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB).

O desempenho do setor, positivo à primeira vista, está ameaçado por uma série de fatores estruturais e conjunturais, adverte o diretor-executivo do diretor-executivo do CICB, Luiz Bittencourt. “As exportações no primeiro semestre do ano cresceram 30% em receita, mas aumentaram apenas 4% em volume físico. Ou seja, o aumento foi resultado da alta dos preços internacionais do couro”, explica ele.

Outro aspecto preocupante é o elevado peso do couro wet blue sobre a pauta de exportações. “O wet blue é a commodity do couro. Trata-se de um produto primário. O Brasil precisa investir mais no aumento das exportações de produtos acabados, de maior valor agregado”, diz Bittencourt.

Esse quadro é agravado por dois outros fatores: a queda do consumo de couro no mercado interno – o que estabelece perigosa dependência do mercado externo – e a sobrevalorização do real em relação ao dólar, que tolhe a competitividade do produto brasileiro.

“Se esse cenário não for alterado, corremos o sério risco de passar por um processo de desindustrialização da cadeia produtiva do couro”, adverte o diretor-executivo do CICB, que destaca a importância do segmento: o setor emprega 45 mil pessoas, movimenta um PIB de US$ 3 bilhões e recolhe quase US$ 1 bilhão anual em impostos.

Para reverter esse quadro, o CICB está propondo três medidas. O primeiro deles é a alocação dos recursos provenientes do recolhimento do imposto sobre a exportação do couro wet blue, de 9%, para o financiamento de máquinas e equipamentos para o acabamento de couro pelas indústrias que atualmente só processam o couro até o estágio de wet blue.

Outra proposta é a desoneração da importação de peles de caprinos e ovinos, medida importante porque a produção interna, da ordem de 7 milhões de peles, não atende à demanda das empresas, cuja capacidade de processamento é de 12 milhões de unidades. “Os curtumes estão operando com 40% ociosidade, em uma região carente como o Nordeste do Brasil”, diz Bittencourt.

Finalmente, a entidade reivindica maior agilidade na devolução dos de créditos gerados na exportação. “A morosidade no repasse destes créditos compromete seriamente o capital de giro das empresas e tem provocado crescentes preocupações no setor”, conclui o diretor-executivo do CICB. As informações são da assessoria de imprensa do CICB.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink