Exportações de couros movimentaram US$ 879,64 milhões no semestre
CI
Agronegócio

Exportações de couros movimentaram US$ 879,64 milhões no semestre

Com esse resultado, a indústria contabiliza crescimento de 78% nos embarques dos primeiros seis meses do ano
Por: -Janice

Com esse resultado, a indústria contabiliza crescimento de 78% nos embarques dos primeiros seis meses do ano

As exportações brasileiras de couros somaram US$ 879,64 milhões no acumulado dos seis meses deste ano, registrando um aumento de 78% em relação ao primeiro semestre de 2009. O cálculo é do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), com base no balanço da Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Indústria, Desenvolvimento e Comércio Exterior.

“A despeito da ocorrência dos novos problemas financeiros ocorridos nos mercados internacionais, com foco na crise da União Européia, a indústria brasileira registrou bom desempenho no período”, avalia o presidente do CICB, Wolfgang Goerlich. Segundo o executivo, a receita de US$ 165,68 milhões dos embarques em junho representa um crescimento de 73%, ante o mesmo mês do ano passado, e uma elevação de 5% em relação a maio de 2010. “O valor contabilizado no sexto mês deste ano já sinaliza uma recuperação das vendas externas de couros, que podem fechar o ano ao redor de US$ 1,7 bilhão”, estima o presidente do CICB.

O executivo salienta que tal receita significa um crescimento de quase 51% em comparação às vendas externas de 2009, aumentando de maneira relevante a contribuição da indústria curtidora no saldo para a balança comercial brasileira, ainda que se situe aquém do patamar das exportações em 2007, o ano pré-crise, quando atingiram o montante US$ 2,2 bilhões.

A retomada das exportações brasileiras, entretanto, ainda é inibida pela supervalorização do real, pelos entraves representados pelo chamado “Custo Brasil” (pesada carga tributária, elevadas taxas de juros, gargalos logísticos), pela lenta reação de importantes mercados de consumo e, mais recentemente, pelos reflexos da crise européia.

Para manter sua posição no mercado internacional, a indústria brasileira, uma das maiores exportadoras mundiais de couros, vem diversificando cada vez mais seus mercados e aumentando a oferta de produtos mais sofisticados, de maior valor agregado. Ao mesmo tempo são reforçadas iniciativas para valorizar cada vez mais o couro nacional no exterior, a exemplo da bem-sucedida campanha “Brazilian Leather”.

O programa, conduzido pelo CICB em parceria com a Apex-Brasil, agência vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, renovado no dia 5 de julho, tornou-se uma referência no setor e seus resultados positivos já influenciam expressivamente a imagem do nosso couro e as vendas externas, afirma Wolfgang Goerlich.

“Desde 2000, o ano do inicio do convênio, até 2010, conseguimos aumentar a quantidade dos couros exportados anualmente de 14,6 milhões para 24 milhões, um aumento de 164% e, o que é mais importante: a parcela de couros com maior valor agregado cresceu 279%”, diz ele, lembrando que o número de países importadores do couro brasileiro aumentou de 68 para 90.

A importância do setor para a economia brasileira é de grande relevância. Vale lembrar que a cadeia produtiva do couro, que abrange os setores de curtumes, calçados, componentes, máquinas e equipamentos para calçados e couros, artefatos e artigos de viagem em couro, reúne 10 mil indústrias, gera mais de 500 mil empregos e movimenta receita superior a US$ 21 bilhões de dólares por ano.


Itália, China, Hong Kong e Estados Unidos continuam a ser os principais destinos do couro nacional; Brasil abre novos mercados como, Uruguai, Costa Rica, Tunísia e Turquia

Os embarques de couros nestes seis meses do ano representam 1% de todas as exportações brasileiras, contra 0,7% em 2009. De janeiro a junho de 2010, os principais mercados do couro brasileiro foram a Itália, com US$ 211,36 milhões (24% de participação e aumento de 76% ante o período anterior), país que retomou a posição de primeiro lugar de destino do produto nacional; China, com US$ 196,42 milhões (22,33% de participação e elevação de 77%); Hong Kong (US$ 100,27 milhões, 11,4% de participação e crescimento de 51%), e Estados Unidos, US$ 85 milhões (9,67% e salto de 121%).

No acumulado dos seis meses do ano, Alemanha (US$ 26 milhões), Vietnã (US$ 24,1 milhões), México (US$ 21,17 milhões), Holanda (US$ 17,71milhões), Coréia do Sul (US$ 17,44 milhões), Indonésia (US$ 16,62 milhões) e Tailândia (US$ 15,18 milhões) foram outros importantes destinos das exportações brasileiras.

Entre novos mercados que aumentaram as aquisições do couro nacional no período, destacam-se: Noruega que aumentou 100%, importando US$ 12,3 milhões; Hungria (273%) que adquiriu US$ 8,37 milhões; Uruguai (37,65 vezes, US$ 6,61 milhões) e Costa Rica (33,86 vezes, US$ 6 milhões). Outros três países também importaram mais peças do Brasil: Tunísia comprou 76% a mais, US$ 1,98 milhão); Lituânia, US$ 1,66 milhão (91% ); e Turquia, que adquiriu US$ 1,61 milhão (4% a mais). As informações são de assessoria de imprensa.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.