Exportações de suco de laranja recuam 26%
CI
Imagem: Pixabay
NA SAFRA

Exportações de suco de laranja recuam 26%

Entre os motivos para a baixa estão os estoques mais elevados
Por: -Eliza Maliszewski

O Brasil embarcou menos suco de laranja nos três primeiros meses da safra 20/21. De julho a setembro foram 223.682 toneladas, uma redução de 26% em relação ao mesmo período do ano passado. Em faturamento, as exportações somaram US$ 316,7 milhões no período, ante as US$ 528,2 milhões registradas de julho a agosto de 2019.

Entre os motivos para a baixa estão os estoques mais elevados. Segundo o diretor-executivo da CitrusBR, Ibiapaba Netto, a safra 2019/20 deu origem a uma produção de 1,2 milhão de toneladas de suco, 37,4% acima do período anterior. “Com essa grande produção foi possível recompor os estoques que estavam bastante baixos nesse mesmo período do ano passado, o que exigiu uma movimentação maior de suco do Brasil para o exterior onde o suco é vendido e isso explica o porquê de esse ano os embarques estarem tão abaixo”, diz.

Em 30 de junho do ano passado os estoques globais de suco de laranja em poder das empresas associadas à CitrusBR eram de 253.181 toneladas. Após o processamento da safra 2019/20, 36% maior que anterior e meses de ritmo forte de embarques, esses estoques foram recompostos a 471.138 toneladas em 30 de junho de 2020.

Devido à bieanualiade da citricultura, que alterna anos de maior e menor produção, esse fenômeno tem sido comum e em anos de safras maiores há mais exportação. Entre os diferentes destinos a Europa continua a ser o principal das exportações brasileiras, com uma participação de 60,78%, seguida de EUA, com 18,83%, Japão 9,75% e China com 4,17%. Outros mercados correspondem a 6,47%.

Para a Europa as exportações totalizaram 140.693 toneladas, uma redução de 17,6%. As exportações para os Estados Unidos cresceram entre os meses de julho e setembro. Foram embarcadas 42.509 toneladas de suco de laranja, 15,7% a mais. Os embarques de suco de laranja para o Japão registraram alta de 61,7% nos primeiros três meses da safra 2020/2021, com um volume de 21.997 toneladas.  Já a China importou no primeiro trimestre da safra 2020/2021, o total de 9.392 toneladas, volume 5,8% menor do que o registrado na safra passada.

*com informações da assessoria


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink