Famasul quer leilão para garantir preço mínimo do milho

Agronegócio

Famasul quer leilão para garantir preço mínimo do milho

Por:
955 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.
A Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS está solicitando ao Mapa - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento a inclusão do Estado nos leilões Pepro - Prêmio de Equalização Pago ao Produtor Rural, com a finalidade de garantir o preço mínimo do milho aos agricultores do Estado. Assinado também pela Aprosoja/MS - Associação dos Produtores de Soja de MS e OCB/MS - Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras, o ofício enviado ao ministério pede leilões para 2 milhões de toneladas do milho produzidas no Estado.


De acordo com o coordenador técnico da Famasul, Lucas Galvan, os leilões são necessários também para dar ritmo ao escoamento e a comercialização. “A função do Pepro é dar agilidade às vendas do milho quando as cotações estão menores que o preço mínimo estabelecido pelo Governo Federal. Além de garantir que o produtor cubra os custos de produção da safra, o leilão evitará problemas de armazenagem ao aumentar a velocidade do escoamento”, afirma.

Mato Grosso dos Sul tem capacidade estática de armazenagem de grãos de aproximadamente 8 milhões de toneladas distribuída em 851 armazéns. A estimativa da Aprosoja/MS de colheita de 7,4 milhões de toneladas de milho safrinha, somadas ao volume de soja ainda retido no Estado, vai gerar déficit de armazenagem caso não haja aceleração no fluxo de escoamento dos grãos até os mercados consumidores.


Após a solicitação ao Mapa, as entidades de Mato Grosso do Sul aguardam do ministro, Neri Geller, a autorização do lançamento do edital pela Conab – Companhia Nacional de Abastecimento, contendo o valor do prêmio e o volume autorizado para os leilões. “A finalidade é garantir o preço mínimo da saca do milho, permitindo que o agricultor possa arcar com os custos de produção, e também evitar problemas com estocagem”, destaca o presidente da Aprosoja/MS, Mauricio Saito.

Atualmente, a cotação da saca em Mato Grosso do Sul é de R$ 16,00, com expectativa de queda, valor considerado R$ 1,67 inferior ao estabelecido pela Conab e pelo Mapa. Com o leilão, os agricultores de MS passam a garantir a receita mínima de R$ 17,67 por saca.


No histórico de Mato Grosso do Sul a inclusão no leilão Pepro é bem sucedida. Na última oferta, em agosto de 2013, o Estado ofereceu cerca de 100 mil toneladas do milho cultivado na safrinha 2012/2013 e 98,09% foram leiloados ao valor mínimo de R$ 17,46 a saca de 60 quilos.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink