FAO cria manual para prevenir e controlar gripe aviária

Agronegócio

FAO cria manual para prevenir e controlar gripe aviária

A intenção é minimizar os riscos da introdução da doença no País
Por: -Admin
58 acessos

Para minimizar os riscos de introdução da gripe aviária no País, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (Fao) criou o “Manual para prevenção e controle de gripe aviária na avicultura de pequena escala”. O objetivo do documento é garantir que os pequenos avicultores da América Latina tenham informações apropriadas sobre a melhor maneira de prevenir a gripe aviária.

De acordo com o manual, essa doença é causada por um vírus e pode apresentar-se de diferentes formas: sinais clínicos graves e generalizados (Influenza Aviária de Alta Patogenicidade), sinais clínicos moderados e respiratórios (Influenza Aviária de Baixa Patogenidade) e sem sinais clínicos. O vírus pode infeccionar frangos, patos, gansos, perus, cocares, codornas, faisões, pombas, aves, canoras e um grande número de aves silvestres.

A instalação do vírus, segundo o documento, pode entrar em uma granja de várias formas: quando se compra ou presenteia uma ou mais aves domésticas infectadas, mesmo quando não estão doentes; por meio de seres humanos que chegam à granja após terem estado em outra granja, em um mercado de aves vivas , em um abatedouro, laboratório, dentre outros.

Os sinais clínicos da gripe aviária são muito variáveis: a doença surge subitamente podendo matar muitas aves rapidamente sem deixar rastros ou com sinais mínimos de depressão, redução no consumo de alimentos e penas eriçadas. Algumas aves demonstram fraqueza e, em geral, tremem ao caminhar. Com freqüência, as aves doentes sentam ou se mantêm em pé em estado letárgico, com a cabeça tocando o piso. O diagnóstico é feito por meio de exames de laboratório.

Não existe tratamento para a doença e sim vacinas. O manual alerta que a vacinação é apenas uma ferramenta de prevenção e que outros métodos devem ser aplicados. Além dessas informações, o manual traz também formas de proteção de granjas quando forem notificados surtos na região ou no país, proteção dos seres humanos e a importância da aliança entre veterinários, técnicos agrícolas e o escritório local de serviços veterinários. As informações são da assessoria de imprensa da Seagro.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink