Feijão será rastreado: esteja preparado
CI
Imagem: Pixabay
CERCO FECHADO

Feijão será rastreado: esteja preparado

Normas internacionais precisam ser atendidas, tanto no Brasil como no exterior
Por: -Leonardo Gottems

Em reunião virtual realizada ontem, diversos empacotadores revelam que foi dado o primeiro passo em busca da rastreabilidade na cadeia do feijão, informa o Ibrafe (Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses). “Os empacotadores de Feijão de todo o Brasil têm percebido o nível de exigências do consumidor aumentando. Não é raro que os consumidores liguem nos números de SAC – Serviço de Atendimento do Consumidor – para saber detalhes sobre o Feijão que está empacotado”, diz a entidade. 

Por sua vez, é cada vez mais frequente que as redes de supermercados citem o setor de FLV – Frutas Legumes e Verduras – como exemplo de setor que está se organizando para dar maior segurança alimentar ao consumidor. “E como fazem isso? Através de software de gestão de informações. Nele o produtor coloca o caderno de campo que já é utilizado para racionalizar as aplicações de tudo que foi recomendado pelo agrônomo. Este mesmo caderno é utilizado digitalmente e de maneira simples para agregar as informações”, comenta o Instituto. 

“Os empacotadores têm se perguntado como vão ter um produto separado por lote recebido de cada produtor. Na verdade, as marcas com maior distribuição já têm sistemas próprios de monitoramento, inclusive de análise de resíduos. Nestas análises, na medida em que vem aumentando o volume de amostragens, o custo vai se tornando assimilável. Este tipo de cuidado não é extremismo de supermercados ou das próprias marcas. O Ministério da Agricultura está sendo cobrado também para que a produção de alimentos não somente aumente de volume, mas também que isso seja feito com garantia de qualidade”, explica o Ibrafe. 

De acordo com a entidade, a razão disso é que normas internacionais precisam ser atendidas, tanto no Brasil como no exterior: “É necessário que se saibam detalhes de sua origem e isso implica em saber quem foi que produziu, que produtos aplicou, em que região do país e sob que condições foi produzido”. 

“Com 3 milhões de toneladas de Feijão produzidas e consumidas no país, é bastante lógico que tenhamos que saber em que condições o produto está sendo empacotado. Há ainda, em algumas regiões, pequenas empresas onde se combate o rato com gatos que dormem sobre a sacaria. Condições de higiene zero. Não podemos imaginar fazer ações para aumentar o consumo sem antes fazer o dever de casa. Todos precisam atender às normas da ANVISA na origem e no processo do Feijão. Tendo em vista essas novas exigências, aproveite e esteja entre os primeiros a atendê-las. Nada mais são do que aquilo que produtores conscientes já fazem”, conclui o Ibrafe, que é presidido por Marcelo Lüders.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink