Feira discute agroecologia na América Latina

Agroecologia

Feira discute agroecologia na América Latina

Feira internacional sobre agroecologia realizada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e diversos parceiros, como a Embrapa Pantanal
Por:
100 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

Até quarta-feira desta semana, dia 14, acontece o Agroecol 2018 – uma feira internacional sobre agroecologia realizada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e diversos parceiros, como a Embrapa Pantanal. Este ano, o evento traz como foco das discussões o tema central “Sistemas agroalimentares, sociobiodiversidade, saúde e educação: desafios e perspectivas”, abordado até esta quarta-feira, dia 14, em diversas atividades no Teatro Glauce Rocha e complexo multiuso no campus da UFMS em Campo Grande.

“Estamos aqui para encontrar soluções enquanto celebramos nossas conquistas científicas, práticas e produtivas”, diz o professor Alejandro Lasso, da UFMS, que coordena o evento. Ele informa que este ano o Agroecol conta com 7 mesas redondas, 13 grupos temáticos e 13 oficinas técnicas, práticas e minicursos. “Na segunda tivemos a mesa redonda internacional que discutiu a diversidade cultural e biótica da América do Sul com participação da Colômbia, Uruguai, Brasil e Bolívia”, ressalta. “A partir desta terça-feira, temos uma sequência de mesas redondas paralelas”. O evento também conta com atividades culturais e uma feira agroecológica de pequenos produtores, artesãos, agricultores familiares e outros.

Entre os temas discutidos no Agroecol estão saúde e agroecologia; educação do campo e agroecologia; comercialização justa, economia solidária, cooperativismo e agroecologia; agroindustrialização e agregação de valor de produtos nativos do bioma cerrado; sistemas agroflorestais e soluções sustentáveis. “É um conjunto de experiências interdisciplinares que tenta pensar a sociedade. No final do evento, queremos construir um documento, a Carta de Campo Grande. O resultado desses debates por grupo de trabalho, por oficina técnica e por mesa serão reunidos e lidos na quarta-feira”.

De acordo com o reitor da UFMS, Marcelo Turine, um dos maiores desafios do planeta atualmente é a produção sustentável de alimentos. “A pesquisa, a ciência e as instituições que trabalham com educação têm esse objetivo: desenvolver sistemas agroalimentares com sociobiodiversidade, pautados na promoção da educação e saúde”. Para Rogério Bereta, superintendente estadual de produção, agricultura familiar, ciência, tecnologia e meio ambiente, “a agroecologia - de maneira geral, no Brasil e MS - vem caminhando rapidamente com a população reconhecendo e buscando esse alimento sem produtos químicos. Essa é uma oportunidade de mercado para todo o segmento”.

O chefe-geral da Embrapa Pantanal, Jorge Lara, destaca que o diferencial da agroecologia reside na associação do conhecimento tradicional ao científico. “A América do Sul tem uma missão dada pela ONU: alimentar três bilhões de pessoas no mundo. No caso do Brasil, de alimentar dois milhões. Hoje alimentamos um milhão - ou seja, teremos que dobrar nos próximos anos a quantidade de alimentos produzidos. Temos, aproximadamente, 2/3 das nossas matas conservadas. O que fazer, então, para dobrar nossa produção agrícola e manter as nossas coberturas vegetais conservadas? Uma das respostas está na agroecologia. Milhares de pequenas propriedades podem produzir um alimento sustentável de forma variável, aumentando a disponibilidade de alimentos de forma eficiente”.

O Agroecol acontece até esta quarta-feira, dia 14. Confira a programação e outras informações na página do evento no Facebook!

https://www.facebook.com/Agroecol2018

O Agroecol 2018 é uma realização da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Fundação Oswaldo Cruz/MS, SEMAGRO, UCDB, FAPEC, FETEMS, Núcleo de Agroecologia do Ensino, Pesquisa, Extensão e Saberes Tradicionais de MS, Comissão Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (CNAPO), Câmara Interministerial de Agroecologia e Produção Orgânica (CIAPO), Segov, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Embrapa Pantanal e Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural de Mato Grosso do Sul (Agraer) com o apoio da Embrapa Agropecuária Oeste. A promoção é realizada pela Sociedade Científica Latino-Americana de Agroecologia, Associação Brasileira de Agroecologia, Fórum Brasileiro de Educação do Campo, Comissão Estadual de Produção Orgânica de Mato Grosso do Sul e Sociedade Brasileira de Sistemas Agroflorestais.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink