Fepagro realiza tarde de campo em Tupanciretã (RS)
CI
Agronegócio

Fepagro realiza tarde de campo em Tupanciretã (RS)

Por:

A Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro) e a Empresa SETA S.A. realizam amanhã (29-05), uma tarde de campo sobre Sistema Silvipastoril, em Tupanciretã, Rio Grande do Sul. O evento inicia às 14h, com palestras no Parque de Exposição do Sindicato Rural, na 48ª Expotupã, e às 16 h visita aos trabalhos desenvolvidos na Unidade de Pesquisa da Fepagro.

Pesquisadores da fundação e técnicos da SETA desenvolvem, desde 1995, uma pesquisa em sistema silvipastoril com acácia negra e gramíneas forrageiras perenes de estação quente (Panicum maximum cv. Gatton, Brachiaria brizantha, Panicum maximum cv. Aruana e Digitaria diversinervis) em diferentes densidades arbóreas.

Esse trabalho consiste na integração entre árvore, pastagem e animal, com a finalidade de produção animal, madeira, carvão, casca e forragem. O sistema tem potencial para controlar a erosão, melhorar a fertilidade do solo, aumentar a oferta de forragem mais diversificada ao longo do ano, reduzir os danos causados por geadas e os estresses climáticos que causam desconforto e prejudicam o desempenho produtivo dos animais. Além disso, serve para o controle do capim annoni-2.

Segundo a pesquisadora da fundação e coordenadora do projeto, engenheira agrônoma, Zélia Maria de Souza Castilhos, são evidentes os resultados obtidos com esse sistema, principalmente no inverno, época em que os animais perdem peso quando em pastagem natural. Nesse período os animais obtiveram um ganho médio diário de 0,600 kg em pastagem tropicais no sistema silvipastoril. Durante o verão os animais apresentaram melhor desempenho em pastagem de Panicum maximum cultivar Gatton, com um ganho médio diário por animal de 0,812 kg, na densidade arbórea de 833 árvores por hectare.

A produção animal anual média de 562 kg de peso vivo por hectare, obtida em 146 dias de pastejo, com Digitaria diversinervis, na densidade arbórea de 833 árvores/hectares, demonstra o potencial deste sistema.

A pesquisadora explica que a atividade florestal não apresenta retorno financeiro rápido, mas o sistema silvipastoril é uma alternativa tecnicamente viável e poderá ser empregada pelos produtores, uma vez que há mercado para os produtos da acácia negra e produto animal.

Para o evento estão previstas três palestras: às 14h20min, Zélia falará sobre o projeto "Sistema Silvipastoril com Acácia Negra e Gramíneas Perenes de Verão"; às 14h50min, o engenheiro florestal da SETA S.A., Elias Moreira dos Santos, trata da "Acacicultura" - "Desempenho do Componente Arbóreo no Sistema Silvipastoril" e às 15h20min, "Ciclagem de Nutrientes no Sistema Silvipastoril com Acácia Negra" , com o engenheiro florestal, professor da UFSM, Mauro Valdir Schumacker.

Participam do evento o diretor-presidente da Fepagro, Carlos Cardinal, o diretor técnico Nelson Bertoldo e o coordenador de Pesquisa, Pedro Miguel Cinel Filho, entre outros. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (55) 272.1566.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.