Feplana cobra de Bolsonaro taxação do etanol dos EUA

Etanol

Feplana cobra de Bolsonaro taxação do etanol dos EUA

Feplana defendeu a manutenção da taxação do etanol de milho dos EUA a partir de setembro
Por:
144 acessos

Dentre as medidas apresentadas, a Feplana defendeu a manutenção da taxação do etanol de milho dos EUA a partir de setembro, a fim de evitar a depreciação do etanol nacional e rebaixado do preço da cana do Brasil

Na última sexta-feira (15), no Palácio do Planalto, o presidente Bolsonaro, antes de viajar para o encontro com Trump nos EUA nesta semana, recebeu comitiva de lideranças de produtores rurais brasileiros. A Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), liderada por Alexandre Andrade Lima, aproveitou para defender uma pauta vital para a economia brasileira vinculada ao agronegócio da cana de açúcar e com repercussão internacional entre os países: o mercado de etanol de milho dos EUA no Brasil e os reflexos sobre o etanol e a cana nacional.

Em agosto, conforme definido pelo governo Temer, encerrará o prazo de taxação da importação de uma parcela do etanol anidro de milho dos EUA.   “Portanto, se a partir de setembro, não continuar a taxação, gerará um grande prejuízo sobre a cadeia produtiva do etanol brasileiro. O prejuízo vem da depreciação do preço do etanol com reflexos na matéria-prima diante da competitividade desleal gerada pelo etanol de milho americano. E também frente à injustiça neste mercado bilateral, com o milho americano subsidiado pelo governo de lá para entrar aqui em forma de etanol e competir com o nosso de cana, sem subsídio; e sem a reciprocidade da isenção de nosso açúcar para entrar nos EUA”, disse para Bolsonaro o presidente da Feplana, Alexandre Andrade Lima.

Pelas regras atuais de importação, o Brasil poderia taxar 20% de todo o etanol de fora do Mercosul que entra no país, sendo uma tributação ainda inferior aos 35% permitidos pela Organização Mundial do Comércio. “Desse modo, o governo poderá evitar a competição desleal entre os etanóis e impedirá o rebaixamento do preço do etanol nacional – uma diminuição que não é sentida pelo consumidor final e que ainda baixa a rentabilidade do agricultor da cana”, disse Andrade Lima.

O presidente da Feplana aproveitou ainda para dizer a Bolsonaro que falta para o Brasil uma objetividade e planejamento estratégico referente a liberação do etanol anidro importado, que é misturado à gasolina. Assim, o dirigente defendeu a garantia da taxação do etanol dos EUA para estancar a concorrência desleal com o etanol nacional, este que gera empregos e riquezas internas: é crucial para dar viabilidade socioeconômica para esta cadeia produtiva do país.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink