Ferramentas genéticas permitirão estudar origem dos animais
CI
Imagem: Pixabay
ESTUDO

Ferramentas genéticas permitirão estudar origem dos animais 

No estudo, várias equipes de pesquisa tiveram sucesso na introdução de DNA em protistas marinhos
Por: -Leonardo Gottems

Uma equipe internacional de cientistas com participação espanhola desenvolveu ferramentas genéticas em mais de 14 espécies de microeucariotos marinhos, chamados de protistas, organismos que incluem alguns dos parentes unicelulares mais próximos dos animais. O estudo permitirá estudar a origem e evolução de formas de vida complexas.

Os oceanos cobrem 70% da superfície da Terra e abrigam uma diversidade surpreendente de vida microbiana. No interior, os eucariotos microbianos marinhos sustentam a maior teia alimentar do planeta e influenciam os ciclos biogeoquímicos globais que preservam a habitabilidade da Terra. 

O estudo, no qual colaboraram pesquisadores do Instituto de Biologia Evolutiva  (IBE, CSIC-Pompeu Fabra University ) de Barcelona, ??compila uma importante coleção de protocolos para a realização de experimentos genéticos em micróbios marinhos de toda a árvore eucariótica. A pesquisa é um passo essencial para a compreensão das  instruções celulares  por trás das origens e evolução da vida animal.

Os pesquisadores têm feito um esforço coletivo para reunir, pela primeira vez, ferramentas genéticas que nos permitam manipular 14 espécies de protistas. Essas novas ferramentas de manipulação genética em protistas podem lançar luz sobre  as formas de vida eucarióticas ancestrais , a diversificação de proteínas e a evolução das vias celulares.

No estudo, várias equipes de pesquisa tiveram sucesso na introdução de DNA em protistas marinhos e agora estão trabalhando para usar técnicas genéticas, como CRISPR-Cas9, para manipular genomas de protistas. "Até agora, desenvolvemos com sucesso a técnica de transfecção, que é o passo inicial para manipular esses organismos em um futuro próximo", disse  Elena Casacuberta , investigadora principal do IBE e co-autora principal deste estudo.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink