Ferrugem Asiática: Paraná fica 3 meses sem soja

Soja

Ferrugem Asiática: Paraná fica 3 meses sem soja

A medida busca combater os esporos do fungo causador da ferrugem asiática
Por: -Eliza Maliszewski
669 acessos

Começou nesta semana o chamado período de vazio sanitário da soja, no Paraná. De 10 de junho a 10 de setembro os produtores estão proibidos de plantar a oleaginosa. A medida busca combater os esporos do fungo causador da ferrugem asiática. No último ciclo foram registrados 58 casos da praga em lavouras paranaenses, ocupando a segunda posição nacional. 

A portaria da Agência de Defesa Agropecuária (Adapar) ressalta que o período é importante porque interrompe o ciclo do causador da ferrugem asiática, que é um fungo biotrófico, ou seja, precisa da planta viva de soja para sobreviver. Esse período de vazio sanitário interrompe esse ciclo e reduz a incidência do fungo na hora que for ocorrer o plantio. A recomendação é que o produtor também elimine as plantas voluntárias, que nascem depois da colheita, aplicando um herbicida.

A medida busca frear a doença, uma vez que, sem plantas de soja no solo o fungo não se desenvolve e isso vai retardar o aparecimento na próxima safra. O produtor que não cumprir a determinação pode sofrer multas e até a interdição da propriedade. 

De acordo com a Embrapa Soja a estimativa é de que o controle da ferrugem asiática, por safra, custe, em média, US$ 2,8 bilhões e se não for tratada pode consumir a produção em poucos dias. As estratégias de manejo da doença são: o vazio sanitário, a utilização de cultivares precoces, a semeadura no início da época recomendada, o uso de cultivares com genes de resistência e o uso de fungicidas. 
 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink