Ferrugem asiática causa prejuízo a produtores rurais paulistas
CI
Agronegócio

Ferrugem asiática causa prejuízo a produtores rurais paulistas

Por:

A ferrugem asiática, que até o começo deste ano não merecia maiores preocupações por parte dos produtores de soja do Estado de São Paulo, atacou sem piedade as plantações. Algumas foram totalmente destruídas. De acordo com o engenheiro agrônomo e gerente de produção da Associação Anália Franco, Fernando Galvão, o fungo (ferrugem asiática) encontrou no clima atípico deste início de ano um forte aliado. "A umidade causada pelo excesso de chuvas nos primeiros meses do ano, associada às altas temperaturas, normais no verão, criaram um ambiente propício para a proliferação".

Pelos registros, esta é a primeira vez que a ferrugem asiática ataca as lavouras de soja no Estado. Aliado a esse elemento surpresa, o ataque do fungo é fulminante. "Se o produtor verificar a infestação da lavoura e não adotar medidas contra o ataque, em questão de cinco ou sete dias perderá totalmente a lavoura", alerta Galvão. Os primeiros sinais de que a plantação foi contaminada pela ferrugem asiática é detectado pelas folhas, que começam a secar. "A doença é controlável, mas exige acompanhamento diário e, o fundamental, a aplicação imediata dos produtos apropriados para combater o mal", reforça o engenheiro.

A Associação Anália Franco mantém a agropecuária como uma das fontes de renda para sua atividade junto ao terceiro setor - a entidade executa ações voltadas à assistência social, educação e saúde para a comunidade socialmente excluída que reside na zona rural de Itapetininga (SP). Graças à intervenção rápida do Departamento de Produção Agrícola quando a praga foi descoberta, em meados de março, as perdas não foram elevadas. "Perdemos cerca de 30%", revela Galvão.

Uma outra parte da lavoura de soja da Associação Anália Franco, também atingida pela ferrugem asiática, ainda não foi colhida. Essa produção recebeu defensivos antes da outra. Mesmo assim, segundo Fernando Galvão, as perdas deverão ficar em torno dos 20%.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink