Fim da colheita da soja está adiantada no Centro Serra

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
Soja

Fim da colheita da soja está adiantada no Centro Serra

Plantio de variedades superprecoces começou em outubro
Por:

A colheita da soja está praticamente concluída no Centro Serra. Em entrevista ao Giro Regional da Gazeta FM, o gerente da unidade da Cotriel em Sobradinho, Leandro Luis Fernandez, disse que 98% das lavouras já foram colhidas, o que para fim de abril, é considerado atípico. “Devido a variedades superprecoces plantadas em outubro de 2018, a colheita este ano iniciou em meados de fim de fevereiro e a safra já está praticamente concluída logo no início de maio. O clima também colaborou para que a safra fosse finalizada antes”, explica.

Em comparação com 2018, nesta época, cerca de 60% da soja havia sido colhida. Já a média de produtividade baixou cerca de 7 sacas por hectare. O rendimento desta safra é de 59.

A variação de produtividade entre os produtores chamou atenção, com alguns colhendo em alguns pontos cerca de 50 e outros chegando a marca dos 80 sacas.

Em Sobradinho é plantado cerca de mil hectares da oleaginosa, mas a Cotriel também recebe produtividade das cidades de Segredo, Passa Sete, Ibarama e Lagoa Bonita do Sul, totalizando 12 mil.

Do fumo para a Soja

Em Segredo, plantando 220 hectares, com área própria e arrendada, está Gleber Minuzzi, 38 anos, entre os dez maiores produtores de soja do município. Observado pelo filho Anthonny,  e com ajuda da esposa Giovana e mais um funcionário temporário, Gleber faz praticamente todo o serviço da propriedade, plantando, aplicando defensivos e colhendo.

A granja que cresce a cada ano, foi passando por gerações. Era do avô, passou para o pai, até chegar nas mãos de Gleber. Mas antes de 2008, a cultura plantada na terra da família era fumo. “Com o falecimento do meu pai em 2006, eu assumi. Inicialmente nos plantamos fumo. Quando iniciei, fiquei dois anos investindo nessa cultura. Depois resolvi mudar para soja. Comprei um caminhão e fui fazer frete para agricultores durante a safra e ficava observando. Em seguida arrendei minha área de quase 30he e fiquei cuidando como eles faziam. Depois comecei plantar por conta própria. O crescimento é notório a cada ano. Aos poucos fui renovando meu maquinário e evoluindo”, conta.Em Segredo, plantando 220 hectares, com área própria e arrendada, está Gleber Minuzzi, 38 anos, entre os dez maiores produtores de soja do município. Observado pelo filho Anthonny,  e com ajuda da esposa Giovana e mais um funcionário temporário, Gleber faz praticamente todo o serviço da propriedade, plantando, aplicando defensivos e colhendo.

A granja que cresce a cada ano, foi passando por gerações. Era do avô, passou para o pai, até chegar nas mãos de Gleber. Mas antes de 2008, a cultura plantada na terra da família era fumo. “Com o falecimento do meu pai em 2006, eu assumi. Inicialmente nos plantamos fumo. Quando iniciei, fiquei dois anos investindo nessa cultura. Depois resolvi mudar para soja. Comprei um caminhão e fui fazer frete para agricultores durante a safra e ficava observando. Em seguida arrendei minha área de quase 30he e fiquei cuidando como eles faziam. Depois comecei plantar por conta própria. O crescimento é notório a cada ano. Aos poucos fui renovando meu maquinário e evoluindo”, conta.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink