Fornecimento de alimentos não tem futuro muito bom
CI
Imagem: Paulo kurtz/ Embrapa
MUNDO

Fornecimento de alimentos não tem futuro muito bom

Os preços globais de fertilizantes quase triplicaram ano a ano e quadruplicaram nos últimos dois anos
Por: -Leonardo Gottems

Os estoques globais de trigo atualmente estão em cerca de 10 semanas de consumo global, disse um especialista em suprimento de alimentos durante uma reunião especial do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Sara Menker, diretora executiva da Gro Intelligence, uma organização que reúne e analisa dados globais de alimentos e agricultura, disse que contesta as estimativas de agências oficiais do governo que colocam os estoques globais de trigo em 33% do consumo anual, contrariando os estoques que estão perto de 20%.

“É importante notar que os níveis mais baixos de estoque de grãos que o mundo já viu estão ocorrendo enquanto o acesso a fertilizantes é altamente restrito, e a seca nas regiões de cultivo de trigo ao redor do mundo é a mais extrema em mais de 20 anos”, Menker disse. “Preocupações semelhantes com estoques também se aplicam ao milho e outros grãos. As estimativas do governo não estão somando.”

Menker disse ao conselho de segurança que, embora grande parte da culpa pela crescente crise de segurança alimentar tenha se concentrado na guerra Rússia-Ucrânia, que limitou severamente as exportações agrícolas daquela região, ela apenas “adicionou combustível a um incêndio que estava queimando há muito tempo”.

“Compartilho isso porque acreditamos que é importante que todos entendam que, mesmo que a guerra termine amanhã, nosso problema de segurança alimentar não desaparecerá tão cedo sem uma ação conjunta”, disse ela.

Os preços globais de fertilizantes quase triplicaram ano a ano e quadruplicaram nos últimos dois anos devido a choques de oferta causados por gargalos logísticos, restrições ao gás natural que afetam a capacidade de produzir fertilizantes e sanções e restrições à exportação em meio à guerra Rússia Ucrânia. disse Menker.

“Isso corre o risco de reduções significativas no rendimento das colheitas nas principais regiões produtoras, como Brasil, Estados Unidos e Europa Ocidental no final deste ano e no próximo ano, impactando severamente a segurança alimentar global e a inflação nos próximos três a cinco anos, no mínimo”, ela disse.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.