Orgânicos sob encomenda

Francês comanda no Paraná um jeito de deixar orgânicos mais baratos

Projeto Cestas Solidárias estabelece parceria entre produtores e consumidores, com entregas semanais de orgânicos pagos antecipadamente
Por: -Marcos Tosi
1114 acessos

Eles são produtores personais de orgânicos. Plantam sabendo exatamente para quem vão entregar os legumes, frutas e verduras da estação. Dão dicas sobre o uso dos alimentos e fazem eles mesmos as entregas para os clientes – que preferem chamar de parceiros ou coagricultores – em local previamente combinado, pode ser igreja, escola, empresa, academia e até posto de saúde. 

Promovido pelo Centro de Agroecologia (CPRA) da Secretaria da Agricultura do Paraná, o sistema de parceria entre famílias de produtores e de consumidores é baseado no modelo japonês Teikei. No caso paranaense, começou a ser implantado em 2010 por um estagiário francês que trouxe ao país uma mistura do Teikei e do programa Comunidade Apoiando a Agricultura (CSA), que só na França tem cerca de seis mil grupos. Terminou o estágio, mas o agrônomo Manuel Delafoulhouze não saiu mais do Brasil. Culpa da boa ideia que teve, mas, também, porque acabou se casando com uma brasileira.

O projeto Cestas Solidárias tem hoje 38 grupos funcionando e outros seis em incubação, a maioria em Curitiba e região metropolitana.

A perspectiva também é diferente para quem compra os hortifrútis. “Não somos apenas consumidores, a gente vai além e começa a ser vendedor de um sistema mais sustentável”, diz o músico Geovani Salvadori, de 31 anos. Toda segunda-feira após o almoço Salvadori vai de bicicleta buscar a cesta de orgânicos num ateliê no bairro Ahu, ponto de entrega combinado entre ele, os produtores Marcos Antilon e Evandro Mendes e outros 13 moradores da vizinhança. Desta vez ele levou para casa uma caixa de banana, batata doce, abobrinha, alface, almeirão, agrião, pepino e laranja.

Na prática, é como se Salvadori e seus vizinhos fossem donos de uma assinatura de frutas e hortaliças. Não há gastos com classificação, embalagem e refrigeração. A cesta sai da propriedade rural em Bocaiúva do Sul como uma encomenda pré-paga e destinatário certo. Fast delivery.

Nesse sistema a base é uma relação de confiança e cooperação. O consumidor se compromete a financiar a atividade agrícola, com pagamento antecipado, e o produtor assume o compromisso de entregar uma determinada quantia de produtos orgânicos religiosamente (de sete a dez produtos em cada cesta).

Sem atravessadores, o projeto anima os dois extremos da cadeia produtiva. O consumidor paga menos pelo produto orgânico do que se comprasse no supermercado ou mesmo na feirinha; o produtor, por sua vez, recebe bem mais do que do atacadista. “Na firma em que vendo a maior parte da produção eles pagam um real pelo pé de alface. Na venda direta, consigo receber três reais”, comemora o produtor Ivonir Guimarães, de 68 anos, que cultiva 1,5 hectare em Colombo.

“Nossas perdas diminuíram 90%. A gente já produz na quantidade certa. Quando você trabalha no sistema convencional, tem que produzir um monte, porque na Ceasa vale a quantidade, principalmente. Você depende de frete dos outros, num dia vende, noutro não, daí tem que entregar bem barato para não trazer de volta”, resume outro produtor, Evandro Mendes, dono de um sítio de 12 hectares em Bocaiúva do Sul . “Agora, o dinheirinho que entra adiantado é o que ajuda a gente a continuar lá na terra”, acrescenta.
Devagar e sempre

Na coordenação do projeto, Manuel Delafoulhouze diz que existe grande demanda para expandir os grupos de consumidores e produtores parceiros. “Estamos indo propositalmente devagarinho. Tomamos cuidado para não fazer fogo de palha, para não pegar um embalo grande e depois não conseguir acompanhar”, explica.

Atualmente, 600 famílias paranaenses recebem as cestas de hortaliças e frutas, produzidas em 18 diferentes municípios. O maior grupo envolve funcionários da Copel e duas famílias de produtores, que entregam 120 cestas por semana, a R$ 25 reais cada. Todos os produtores de orgânicos que participam do projeto são certificados, ou pela rede Ecovida – certificação participativa, em que uns fiscalizam os outros – ou pelo Tecpar, do governo estadual.

Os clientes são chamados de coagricultores porque, mais do que meros consumidores, são vistos como sócios de um modelo sustentável. Delafoulhouze tenta obter de todos o compromisso de manter a ‘assinatura’ de orgânicos mesmo nas férias, quando não puderem receber as cestas. “O agricultor vai continuar trabalhando para o pessoal comer em fevereiro e março. O pé de tomate continuará produzindo em janeiro”, observa o agrônomo. Quem viaja pode doar as cestas para alguma instituição, parentes ou amigos que queiram conhecer o sistema.
Na fartura e na escassez

Outra atitude “parceira” esperada dos que aderem ao sistema é a compreensão de que, por causa de problemas climáticos, os produtos podem não vir tão variados ou bonitos. O consumidor não escolhe o que vai receber. No grupo de whatsapp de cestas solidárias da Secretaria da Agricultura, por exemplo, o produtor avisou que estava mandando menos folhosas e hortaliças, devido à queda de granizo em Rio Branco do Sul.

Já da produção de Colombo, onde não houve danos, a cesta saiu bem fornida. “Eles sempre afirmaram que se tiver algum problema, vão ter tolerância com a qualidade. Mas agora a cesta está bonita, está toda enfeitada. Vão se regalar”, diz a produtora Belmira Guimarães, 61.

No grupo que recebeu as cestas na Secretaria da Agricultura, encontramos Márcio Silva, do Departamento de Desenvolvimento Agropecuário (DEAGRO). Perguntamos por que um agrônomo da Seab compraria produtos orgânicos. “Para mim é bastante tranquilo, a agricultura possui várias vertentes. Tem o pessoal da agroecologia, dos transgênicos, do sistema convencional. Mas a gente sabe que a fiscalização não dá conta de estar em todos os lugares o tempo todo. Muitas análises, principalmente em frutas e verduras, mostram resíduos de agrotóxicos acima do permitido e produtos não autorizados sendo usados para determinadas espécies. Então, por uma questão de saúde, eu prefiro optar pelo orgânico”, justificou.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink