Agronegócio

Frigorífico de Grão Pará em SC é autorizado a exportar carne suína para o Japão

Estado catarinense possui, agora, nove estabelecimentos autorizados a embarcar produto para mercado japonês
Por:
978 acessos
O Governo do Japão habilitou mais um frigorífico catarinense a exportar carne suína de Santa Catarina para o país do Oriente. O Frigorífico Grão Pará. O anúncio foi feito pelo Adido Agrícola na Embaixada do Brasil em Tóquio – Japão, Gutemberg Barone de Araújo Nojosa, ao secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues, nesta sexta-feira (04.10), habilitando o Frigorífico de Grão Pará a encaminhar o produto para o Japão.

 
Agora Santa Catarina possui nove estabelecimentos autorizdos a exportar carne suína para o mercado japônes: BRF (Campos Novos e Herval D’Oeste), Seara (Seara e Itapiranga), Pamplona (Rio do Sul e Presidente Getúlio), Aurora (Chapecó), Frigorífico Catarinense (Grão Pará) e o Sul Valle (São Miguel do Oeste).
 
De acordo com o secretário João Rodrigues essa era uma notícia aguardada pelo Estado e que demonstra a qualidade do agronegócio catarinense. “Historicamente, os japoneses só importavam carne suína quando todo o país de origem possuía o status de área livre de aftosa sem vacinação, mas foi aberta uma exceção para Santa Catarina pela qualidade do nosso trabalho sanitário, afinal somos o único estado brasileiro livre de febre aftosa sem vacinação”, lembra.

 
Em agosto, chegou ao Japão o primeiro container carregado de carne suína procedente de Santa Catarina. A carga da Seara, com 21 toneladas de carne suína partiu do Porto de Navegantes no dia 13 de julho e chegou ao Japão dia 22 de agosto. A Aurora Alimentos e BRF também já enviaram seus primeiros containers para o Japão.
 
Santa Catarina é o maior produtor nacional de carne suína, respondendo por um quarto do total produzido no país. Da média de 800 mil toneladas produzidas por ano no estado, o mercado internacional consome cerca de 180 mil toneladas. O Japão é o maior importador de carne suína do mundo, comprando o equivalente a 1,2 milhão de toneladas por ano, no entanto as aquisições de carne suína congelada somam 800 mil toneladas.

 
 A expectativa do Governo do Estado é de que, em uma primeira etapa, Santa Catarina responda por 10% do mercado de carne suína congelada, ou seja, cerca de 80 mil toneladas. O montante representaria um ganho da ordem de 45% nos embarques de carne suína catarinense para o exterior. A entrada da carne suína catarinense foi autorizada pelo Governo japonês em maio deste ano.
 
O Brasil terá que disputar o fornecimento para o mercado japonês, hoje abastecido por Estados Unidos, Canadá, Dinamarca, México e Chile. Essa competição será definida pelos aspectos técnicos de atendimento aos padrões exigidos, o cumprimento de prazos e demais condições estabelecidas nas negociações.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink