Frigorífico fecha e leva preocupação a pecuaristas

Agronegócio

Frigorífico fecha e leva preocupação a pecuaristas

Por:
1 acessos

A Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná está avaliando as conseqüências para os pecuaristas do fechamento do Frigorífico Margem, único exportador de carne bovina do Paraná. A empresa teve recentemente suas contas bloqueadas pela Justiça devido às acusações de sonegação. Técnicos do Departamento de Economia Rural - Deral - estão acompanhando a oscilação do preço do produto.

Atuando no ramo de carnes em várias regiões do País, o frigorífico teve que paralisar os abates, fato que já se reflete no preço do boi gordo, que está apresentando queda em torno de R$ 1,00 por arroba.

"Trata-se de uma situação delicada, pois essa é uma época em que o mercado esperava a valorização do produto devido a vários fatores, entre os quais o aumento do consumo estimulado pelas festas de fim de ano e pelo 13.º salário", explicou Fábio Mezzadri, médico veterinário da Seab.

No Paraná, a situação é mais delicada pelo fato de a empresa ter adquirido as unidades frigoríficas dos únicos concorrentes exportadores, o Amambaí e o Frigma, em Maringá, sendo agora a única exportadora de carne bovina no Estado. Também no Paraná, pelos mesmos motivos que no restante do País, os abates estão suspensos nas unidades de Paranavaí e Lupionópolis. "Hoje, a empresa continua exportando a carne que estava estocada, proveniente de abates realizados antes da proibição", explicou Mezzadri.

De acordo com o médico veterinário, os pecuaristas paranaenses estão preocupados com a situação, pois essa semana o Margem não está abatendo animais, o que ocasiona grande prejuízo para muitos produtores que estavam programados para comercializar seu gado neste período do ano.

Outra dificuldade dos produtores é a de encaixar seus animais, antes entregues ao Margem, em escalas de abates de outros frigoríficos, que estão com escalas fechadas pelos seus clientes tradicionais. O Frigorífico Margem é responsável por 40% dos abates no Estado, o que representa mensalmente cerca de 130 mil cabeças.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink