Agronegócio

Frio abaixo de zero faz Emater/RS-Ascar entregar agasalhos na Terra Indígena do Guarita

Noites e dias gelados, com temperaturas negativas e formação de geada ao amanhecer, sensibilizam extensionistas da Emater/RS-Ascar que trabalham na Unidade Indígena.
Por:
615 acessos

Noites e dias gelados, com temperaturas negativas e formação de geada ao amanhecer, sensibilizam extensionistas da Emater/RS-Ascar que trabalham na Unidade Indígena, com sede em Tenente Portela. Para levar um pouco de calor aos Kaingang e aos Guarani da Terra Indígena do Guarita, a maior Terra Indígena em contingente populacional do Rio Grande do Sul, os extensionistas retiraram dos seus guarda-roupas agasalhos que estavam sobrando. A iniciativa ganhou a adesão de familiares e amigos e as sacolas foram ficando cheias de roupas, distribuídas aos indígenas nos meses de maio e junho.

Na casa da Kaingang Juliana Aparecida da Rocha chegaram agasalhos para os três filhos, Daniel, de nove anos (na foto, ao fundo, vestindo manga curta, bermuda e chinelo), Vitoria, de cinco anos, e Ironito, de apenas um ano de vida. Desde 2013, quando Juliana passou a receber Assistência Técnica e Social da Emater/RS-Ascar, ela já adquiriu equipamentos para colocar em funcionamento a própria agroindústria e, atualmente, vende pães, cucas, bolos e salgados para a comunidade. 

Embora trabalhem para conquistar autonomia financeira, grande parte das 1.300 famílias da Terra Indígena do Guarita ainda encontra-se em situação de vulnerabilidade social. A expectativa dos extensionistas da Emater/RS-Ascar é que as doações de roupas possam amenizar o sofrimento causado pelo rigoroso frio do inverno gaúcho. ?É um trabalho social que a Emater desenvolve, promovendo a solidariedade e possibilitando uma melhor qualidade de vida a essas pessoas?, informou, em nota, a Unidade Indígena.

Presença da Emater/RS-Ascar na Terra Indígena
Esta não é a primeira ação da Emater/RS-Ascar na Terra Indígena do Guarita. Entre os anos de 1997 a 2005, a Instituição executou no local o Programa RS Rural, política pública desenvolvida pelo governo do Rio Grande do Sul com recurso do Banco Interamericano para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird).

Em 2013, a Emater/RS-Ascar instalava em Tenente Portela a sua Unidade Indígena, que tem o apoio de lideranças indígenas, Prefeitura de Tenente Portela, comerciantes e instituições da região Noroeste. 

Desde que passaram a receber assistência técnica, as famílias indígenas construíram mais de 300 hortas domésticas e investiram na criação de pequenos animais, como galinhas e suínos. O artesanato e até agroindústrias familiares também ganharam impulso na Terra Indígena do Guarita.

Interessados em doar agasalhos para as famílias da Terra Indígena do Guarita podem fazer a entrega na sede da Unidade Indígena da Emater/RS-Ascar, na rua Aracati, nº 19, segundo andar, em Tenente Portela;

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink