Fundação MT vai pesquisar pecuária de corte
CI
Imagem: Divulgação
CIÊNCIA

Fundação MT vai pesquisar pecuária de corte

Irá desenvolver ensaios em diversas temáticas e já oferece treinamentos
Por: -Eliza Maliszewski

De acordo com os dados mais recentes divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o estado de Mato Grosso detém o maior rebanho no Brasil com 32,7 milhões de bovinos. Embora a atividade tenha grande destaque e importância na economia do Estado, levando desenvolvimento para mais de 20 milhões de hectares, a região ainda carece de informações e pesquisas direcionadas ao assunto.

Para tentar mudar este cenário e disponibilizar conhecimento sobre a sustentabilidade ambiental e econômica da pecuária de corte, a Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso (Fundação MT), passa a fornecer informações sobre a atividade

No dia 16 de dezembro, a live chamada Pasto Forte, terá como tema central a recuperação de pastagens, controle de plantas daninhas e estoque e fixação de carbono na pecuária. Além destes, também serão abordados os seguintes temas: cenário atual da pecuária e da cadeia da carne no estado de Mato Grosso, análise técnica e econômica da adubação e manejo de pastagens.  

Para a realização deste encontro, a Fundação Mato Grosso contará com parceria da Acrimat (Associação dos criadores de Mato Grosso) e do Imac (Instituto Mato-grossense da Carne). “Além deste projeto, a área de pesquisa de pecuária de corte da Fundação MT irá desenvolver ensaios em diversas temáticas de interesse dos pecuaristas e já oferece treinamentos e capacitação para produtores e profissionais do meio”, diz o doutor em Zootecnia, Thiago Trento Biserra.   

Desafios contínuos

Muitos são os desafios enfrentados na pecuária de corte no Brasil e em Mato Grosso. De acordo com o doutor, da “porteira para dentro” há a missão de diminuir os custos de produção, controlar pragas e plantas daninhas, melhorar a qualidade da carne e da carcaça, melhorar o desempenho dos animais de maneira eficiente e sustentável, ou seja, recuperar áreas degradadas para intensificar a produção animal e abater animais mais precoces.

Da “porteira para fora”, são relevantes temas como logística, ampliação do mercado da carne, oscilação de preços por questões internacionais, requisitos de mercados importadores e falta de mão de obra qualificada. Também existem fatores climáticos que influenciam a produção e qualidade da massa de forragem.

Ainda segundo Biserra a live Pasto Forte, que marca o pontapé inicial da área de pecuária de corte na Fundação MT, será um marco muito importante no compromisso de ajudar a levar ao público informações técnicas e de mercado. “Convidamos os produtores que queiram melhorar o nível tecnológico da propriedade, consultores, influenciadores, estudantes e todos aqueles que desejam adquirir e aprimorar seus conhecimentos sobre manejo de pastagens”, diz o zootecnista.

A participação é gratuita e o link da live será disponibilizado através da publicação nas redes sociais, site e outros meios de comunicação da Fundação MT, Acrimat e Imac.

A Fundação MT foi criada em 1993, com sede em Rondonópolis. A instituição pesquisa diversos aspectos de culturas de grãos como soja e milho, além do algodão, em áreas como solo, pragas e doenças, daninhas, nematoides, tecnologia de aplicação, entre outras.

* com informações da assessoria de imprensa


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.