Fundecitrus financia estudo sobre EPIs na fruticultura
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,782 (-0,26%)
| Dólar (compra) R$ 5,38 (2,78%)

Imagem: Pixabay

PROJETO

Fundecitrus financia estudo sobre EPIs na fruticultura

Recursos serão disponibilizados para o Quepia
Por: -Leonardo Gottems
50 acessos

O Fundo de Defesa da Citricultura (Fundecitrus), uma associação privada mantida por citricultores e indústrias de suco, está enviandon recursos para o Programa IAC-Quepia de Qualidade de Equipamentos de Proteção Individual na Agricultura para estudo sobre lavagem de EPI com sabão em pó e vida útil de equipamentos. 

As entidades viabilizam, em conjunto, um estudo de ponta, abrigado no laboratório do “Quepia”, com objetivo de analisar efeitos de sabões em pó fabricados no Brasil nos processos de lavagem de EPI agrícolas. De acordo com o pesquisador científico Hamilton Ramos, coordenador do programa IAC-Quepia, a pesquisa identificará marcas de produtos empregados na lavagem de EPI que favoreçam a conservação de vestimentas protetivas. 

“As análises se baseiam, essencialmente, em procedimentos de lavagem atrelados a resultados de avaliações em laboratório”, resume Ramos. Conforme o pesquisador, a expectativa é a de que o laudo conclusivo do projeto seja entregue ao Fundecitrus ainda este ano. 

Ele explica que uma etapa importante será desenvolvida com suporte de um equipamento de ponta, importado pelo IAC-Quepia, denominado Laundrometer, possivelmente o único no Brasil hoje aplicado a uma pesquisa agrícola. “Na fase decisiva do trabalho, marcas de sabão em pó terão seu desempenho comparado ao de um sabão em pó de alta performance, padronizado pela entidade International Standartization Organization, prescrito no âmbito de norma da ISO (ISO 6330)”, revela Ramos. 

“O resultado da iniciativa de pesquisa Quepia-Fundecitrus dará origem a recomendações técnicas para agricultores, empresas do agronegócio e usuários de EPI agrícolas. Entre as principais conclusões possíveis, destacamos a perspectiva de se elevar a vida útil dos EPI brasileiros, ou importados frente, às recomendações de base de fabricantes. Com isso, poderemos transferir sustentabilidade e segurança ao campo”, finaliza ele. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink