Fungicidas à base de cobre travam em barreiras regulatórias

ALTERNATIVA

Fungicidas à base de cobre travam em barreiras regulatórias

"Nos concentramos em vender técnicas em vez de formulações"
Por: -Leonardo Gottems
1452 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

As empresas desenvolvedoras de fungicidas à base de cobre comemoram o aumento da busca por esse tipo de defensivo, mas lamentam a dificuldade de registrar novas variedades, o que acaba travando o mercado. De acordo com a empresa Shyam Chemicals, esse tipo de fungicida ganha destaque por não prejudicar o meio ambiente, quase não apresentar casos de resistência e também pela sua relativa segurança. 

“Os obstáculos regulatórios são os principais desafios que enfrentamos ao tentar desenvolver novos mercados para nossos fungicidas de cobre. Quando os mercados são fechados devido a custos proibitivos para comprar acesso a dados de registro, nos concentramos em vender técnicas em vez de formulações, já que os obstáculos regulamentares para a técnica são menores”, afirma. 

Nesse cenário, a Quimetal Industrial também corrobora com essa opinião. “A barreira mais importante para novos mercados é o processo de registro. Temos um arquivo muito completo para cada produto para registrar nossos produtos em todo o mundo. Este foi um investimento muito importante da nossa empresa, que nos permite estar presente nos principais mercados”, explica. 

Já para a Naufarm, existe um outro problema que também impede as empresas de investirem mais nessa questão, privando, de certa forma, o agricultor de ter mais uma variedade eficiente de fungicida para ser utilizado na sua lavoura. Segundo a empresa, o fungicida à base de cobre é muito diversificado. 

“É um produto que é usado em centenas de plantações e locais, praticamente em todos os locais onde as plantações são cultivadas; portanto, combinar nossos produtos com as necessidades específicas de um produtor de toranja de mercado fresco no Brasil ou nos Estados Unidos em comparação a um produtor de uva na França exigiu que fôssemos ágeis no desenvolvimento de nossa formulação”, comenta.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink