BANIDO

Glifosato é proibido na 3° maior cidade Argentina

Medida é baseada em informativos da OMS
Por: -Leonardo Gottems
846 acessos

Os vereadores do município de Rosario aprovaram um projeto nesta quinta-feira (16.11) que proíbe o uso do herbicida glifosato na cidade, maior cidade da província de Santa Fé e terceira na Argentina. A iniciativa foi apresentada pelo vereador Osvaldo Miatello, do Partido Justicialista, poucos dias depois que a Agência Internacional para Investigação sobre o Câncer (Iarc) da Organização Mundial da Saúde (OMS) qualificou o produto como “provavelmente cancerígeno” tanto para uso agronômico como em espaços públicos e jardins residenciais.

“Se trata de um assunto em que se vinha sugerindo há tempo no Conselho assessor de Ecologia e Meio Ambiente e, além disso, tem como antecedente a apresentação de outro projeto por parte de um particular, que já pedia a proibição da venda do glifosato”, explicou o legislador, que fundamentou o projeto sobre o fato de que “são muitos os relatórios e pesquisas que mostraram resultados alarmantes sobre os efeitos que tem o herbicida”.

Entre os argumentos que cita Miatello estão a classificação da OMS e as citações dos estudos na França, país no qual o governo propõe uma “saída” do modelo agrícola dependente do glifosato nos próximos anos.

O projeto também recorda que o glifosato é o herbicida de maior uso na agricultura a nível mundial e que sua utilização na Argentina é intensiva, já que é associada ao pacote de sementes transgênicas da Monsanto, adotado em massa por produtores da região desde os anos 90.

Segundo dados oficiais de 2016, a Argentina se posicionou como terceira no ranking mundial de produção transgênica com 23,8 milhões de hectares, somente superada por Brasil e Estados Unidos. Isso significa que o uso de entre 3,5 e quatro milhões de toneladas de agroquímicos por ano a nível país, uma cifra estimada nas vendas declaradas. Miatello também recordou que no ano passado especialistas da Organização das Nações Unidas declararam que o uso excessivo de pesticidas é um risco para a saúde.

 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink