Governo ameaça reduzir álcool na gasolina se preço subir muito

Agronegócio

Governo ameaça reduzir álcool na gasolina se preço subir muito

O ministro não informou a partir de qual preço o governo mudará a mistura
Por: -Patrícia Zimmermann
5 acessos

O ministro da Agricultura, Luís Carlos Guedes, informou nesta sexta-feira (05-01) que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recomendou o acompanhamento atento do mercado para que, caso os preços do álcool subam "de forma descontrolada", o Cima (Conselho Interministerial do Açúcar e do Álcool) seja convocado a fim de rever o percentual do combustível misturado à gasolina, que hoje está em 23%.

"Se os preços crescerem excessivamente, obviamente o governo não ficará passivo", frisou Guedes, ao comentar que não há justificativa para aumentos substanciais do preço do álcool. O ministro não informou, no entanto, a partir de qual preço o governo mudará a mistura.

Os produtores de álcool esperavam que o governo elevasse o percentual misturado à gasolina para 25% agora em janeiro, o que foi descartado pelo ministro nesta sexta-feira, diante da recente alta dos preços do combustível.

Entretanto, apesar dos aumentos registrados desde dezembro, Guedes avaliou que o preço do produto (R$ 0,865 na usina para o álcool hidratado) ainda está abaixo do registrado no mesmo período de 2005. O ministro afirmou que a variação nesta época do ano --a entressafra na região Centro-Sul ocorre de dezembro a abril-- é natural, diante do aumento da demanda.

De acordo com Guedes, no último mês, essa demanda, que cresce normalmente 10% no período, chegou a subir mais de 13% em relação ao ano anterior devido principalmente ao aumento da frota de veículos bicombustíveis ("flex fuel"), às férias escolares e à crise nos aeroportos.

Para Guedes, os estoques atuais, de aproximadamente 5,2 bilhões de litros, são suficientes para abastecer o mercado, que consome de 1 bilhão a 1,1 bilhão de litros por mês, até o início da próxima safra, entre meados de abril e início de maio.

No Estado de São Paulo, maior consumidor de álcool do país, o aumento da demanda se explica porque o preço do produto é o equivalente a 53% do da gasolina --o que torna o álcool "extremamente favorável" na região, nas palavras do ministro.

Embora a situação do setor seja apresentada como normal por Guedes, o presidente Lula também trataria do assunto nesta sexta-feira com o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink