Governo aposta em ferrovias para baratear frete
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,692 (-0,27%)
| Dólar (compra) R$ 5,46 (1,17%)

Imagem: Pixabay

LOGÍSTICA

Governo aposta em ferrovias para baratear frete

Nos planos estão três estruturas: Ferronorte, Fico e a Ferrogrão
Por: -Eliza Maliszewski
1639 acessos

Mato Grosso, maior produtor de grãos do país, trabalha na instalação de ferrovias que podem facilitar o escoamento, com fretes menores e diminuir a dependência das rodovias. Nos planos estão três estruturas: Rumo\Ferrovia Vicente Vuolo (Ferronorte), Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico) e a Ferrogrão.

A Rumo Logística explora desde abril de 2015 o trecho que atualmente liga o Porto de Santos a Rondonópolis e transporta 30 milhões de toneladas. A proposta é estender os trilhos da ferrovia até Cuiabá, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde e chegar a 75 milhões de toneladas. Uma das condições da empresa para isso era a renovação da outorga da malha paulista, o que foi obtido em maio deste ano. Agora a empresa aguarda a autorização do Ministério da Infraestrutura para iniciar as obras. Estão previstos investimentos que variam entre R$ 9 e 11 bilhões.

Com extensão de 348 quilômetros, a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico) vai propor uma opção logística eficiente para o escoamento da produção de grãos da região Centro Oeste, principalmente de Mato Grosso, em direção aos grandes portos brasileiros, como Itaqui, no Maranhão, ou o Porto de Santos, mediante os trilhos da Rumo Malha Norte S\A. Com a aprovação pelo Tribunal de Contas da União (TCU) pela renovação antecipada da concessão da Ferrovia Vitória\Minas, da Companhia Vale, parte do valor da outorga será usado na implantação da Fico, entre Água Boa e Mara Rosa, em Goiás, onde os trilhos vão se conectar com a Ferrovia Norte-Sul. As obras da Fico estão previstas para começar no início do próximo ano, beneficiando primeiramente a região do Vale do Araguaia.

Já a Ferrogrão conta com 1.142 quilômetros às margens da BR-163, no trecho entre Sinop e o porto fluvial de Miritituba (PA). O projeto foi apresentado em 2014 e estudos apontam que a obra custará R$ 12,6 bilhões ao longo de cinco anos. Estão previstos, também, o ramal de Santarenzinho, entre Itaituba e Santarenzinho, no município de Rurópolis (PA), com 32 quilômetros, e o ramal de Itapacurá, com 11 quilômetros. 
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink