Governo define mais subsídio a agricultor

Agronegócio

Governo define mais subsídio a agricultor

A incerteza em relação ao mercado internacional de commodities agrícolas está fazendo o governo federal intensificar sua política de subvenção ao agronegócio
Por:
517 acessos
Para combater os efeitos da queda dos preços internacionais foram publicadas três portarias interministeriais autorizando a Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) a realizar leilões para o pagamento de até R$ 900 milhões em subvenção econômica aos produtores de trigo, milho e algodão. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o objetivo da operação é equalizar a diferença de preços entre os valores de referência utilizados pelo governo e o que é pago atualmente aos produtores no mercado. Ainda no âmbito da garantia de renda aos agricultores, o governo divulgou os preços mínimos para as safras de verão. A portaria também estabelece os preços dos produtos regionais e do Norte e do Nordeste. Serão beneficiados 20 produtos divididos em 42 subcategorias de grãos e sementes. A subvenção será feita por meio do programa de Aquisições do Governo Federal (AGF) - mecanismo de comercialização que consiste na venda da produção ao governo.

Mesmo retomando o crescimento das exportações, o agronegócio encerrou o semestre registrando queda de 6,9% nas vendas, ante o mesmo período de 2008, para US$ 31,4 bilhões.

Fatores climáticos também levaram o governo a ampliar o estímulo para os produtores investirem na próxima safrona. Relatório produzido pela Federação de Agricultura do Mato Grosso do Sul (Famasul) e entregue ao governo, mostra que a estiagem afetou a produção de pelo menos três culturas no Estado, gerando prejuízos estimados em R$ 461,5 na última safra colhida. De acordo com os dados, a produção do milho safrinha caiu 34% em relação à colheita anterior, a soja caiu 20% e o algodão, 8%. "Em situação de normalidade, a degradação é estimada em cerca de 500 mil hectares", diz o relatório.

O pagamento de até R$ 900 milhões em subvenção econômica para quem produz trigo, milho e algodão também deve favorecer a compra sementes para a próxima safra. Os produtores de milho em oito Estados e no Distrito Federal poderão receber até R$ 250 milhões. Os triticultores do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina serão subsidiados em até R$ 100 milhões. O maior montante, R$ 550 milhões, será disponibilizado aos produtores de algodão. "As ofertas públicas são fundamentais neste momento, pois os preços já estavam abaixo do valor mínimo estipulado pela Conab e depois da suspensão dos leilões caíram mais ainda", disse Glauber Silveira, presidente da Associação dos Produtores de Milho e Soja do Mato Grosso (Aprosoja).

A soja corre por fora e, por enquanto, sua comercialização e preços internacionais não preocupam o governo. As exportações brasileiras em junho registram o maior volume embarcado em 2009: 6 milhões de toneladas, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). O montante representa um incremento de 30% em relação a maio e 75% na comparação com o mesmo mês no ano anterior. O preço também indica um cenário positivo. A cotação média da soja no mês de junho chegou aos mesmos patamares do ano passado e 13% superior ao de maio, negociada a US$ 420 por tonelada.

Mais sementes

Os sojicultores do Mato Grosso aceleraram as compras de sementes este ano, disse Elton Hamer, vice-presidente da Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat). Até o final de junho, 90% da produção total de sementes do Mato Grosso já havia sido vendida. No ano passado, esse volume era equivalente a 70%. A alta dos preços internacionais da soja deve estimular os produtores do Mato Grosso a aumentar a área plantada em cerca de 100 mil hectares no ano-safra a iniciar-se em setembro, disse Hamer. Os produtores também intensificaram suas compras depois das chuvas fortes de março e abril, que reduziram a produção de sementes em 25% este ano, disse ele. "Os agricultores também anteciparam as compras depois que as chuvas reduziram a produção de sementes, pois queriam garantir as sementes certas para suas terras", afirmou Hamer.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink