Agronegócio

Governo do PR garante preço mínimo do feijão

O MDA disponibilizou R$ 8,7 milhões através do Programa de Aquisição de Alimentos
Por: -Redação
2 acessos

Para amenizar as dificuldades dos agricultores familiares e assentados da reforma agrária no Paraná que encontram preços baixos pagos à produção de feijão no estado, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), disponibilizou nos últimos dias de dezembro R$ 8,7 milhões, através do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Formação de Estoques pela Agricultura Familiar, para as associações e cooperativas da agricultura familiar. Com o investimento, essas entidades poderão adquirir até 58 sacas por produtor pagando quase o dobro dos preços praticados pelo mercado.

A intenção é garantir uma proteção mínima para que a agricultura familiar tenha condições de se viabilizar na sua atividade econômica. O preço praticado pelo mercado neste período pela saca de feijão preto é cerca de R$ 35 por saca, com o incentivo do MDA em fortalecer as cooperativas e associações, estas poderão adquirir o produto por R$ 60 do feijão tipo 1 ou 2, totalizando um investimento de até R$ 3.500 por agricultor.

Segundo dados do Departamento de Economia Rural da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab) o baixo preço é decorrente de um aumento de produção do grão no estado. A área plantada de feijão no Paraná na safra 2006/07 é 13% superior à safra passada, prevendo-se a produção pode chegar a 670 mil toneladas, quantidade 48% superior a última safra.

Para o delegado em exercício na Delegacia Federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário no Paraná (DFDA-PR), José Leitão, esta ação do governo federal também ajudará a elevar o preço pago pela saca de feijão. “Além do benefício direto a esses produtores vinculados aos projetos contratos junto a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) é esperado que localmente, onde se situam estas organizações dos agricultores familiares, haja uma elevação no preço pago por outros compradores beneficiando os demais produtores naquela região”.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink