Governo pode reabrir negociações com fiscais agropecuários

Agronegócio

Governo pode reabrir negociações com fiscais agropecuários

No final da manhã, uma reunião entre a Anffa e o Ministério da Agricultura, acompanhada pela Comissão de Agricultura da Câmara Federal, deve resultar em avanço nas negociações
Por:
38 acessos

Em greve há oito dias, os fiscais federais agropecuários ainda não têm respostas para as reivindicações. No entanto, estão otimistas quanto a sinais de novas negociações, que receberam nessa terça-feira (31-07). Segundo o presidente da Associação dos Fiscais Federais Agropecuários do Ministério da Agricultura no Paraná (Affama-PR), Clemente Martins, ainda nessa quarta-feira (01-08) um encontro em Brasília “deve trazer novidades”.

Martins afirma que, ainda no final da manhã, uma reunião entre a Associação Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa) e o Ministério da Agricultura, acompanhada pela Comissão de Agricultura da Câmara Federal, deve resultar em avanço nas negociações. “Estivemos em reunião, nessa terça-feira (31-07), em Foz do Iguaçu e Paranaguá, com a categoria. Estamos otimistas quanto à reunião de hoje”, comenta.

Enquanto não há solução para a greve, os fiscais, nos dois municípios do Paraná, optaram por continuar atendendo 30% da demanda. Porém, em Foz do Iguaçu, o movimento de caminhões não diminuiu. Segundo o departamento aduaneiro, da Estação Aduaneira de Interior (Eadi) Sul, o número de caminhões no pátio era de 698, muito maior que o normal. Desses, 225 eram de exportações e, a maioria, 473, de importações, que precisam da liberação do Ministério da Agricultura, através dos fiscais.

Os prejuízos em mercadorias paradas não está apenas no Paraná. Como divulgou ontem, no site, a Anffa, a “paralisação já apresenta aproximadamente U$ 206 milhões em mercadorias e produtos parados nos Estados do Rio Grande do Sul, Goiás, Espírito Santo e Minas Gerais.

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou estar “preocupado” com a greve dos fiscais federais agropecuários devido aos possíveis impactos financeiros da paralisação. A categoria é responsável pela fiscalização das cargas agrícolas que transitam pelo País. O relato foi feito por técnicos que participaram de reunião para discussão das diretrizes da Secretaria de Defesa Agropecuária.

O encontro do ministro com técnicos do ministério e das superintendências federais de Agricultura não foi divulgado pela assessoria da pasta. De acordo com dois interlocutores, o ministro disse estar “empenhado” para encontrar uma solução para o problema dos fiscais, que pedem reajuste salarial de 45%.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink