Granja de suínos traz bons resultados

Agronegócio

Granja de suínos traz bons resultados

Várias atividades agrícolas podem ser exploradas em MT
Por: -Wisley Tomaz
2510 acessos

Em função da diversidade que Mato Grosso proporciona, várias atividades agrícolas podem ser exploradas proporcionando resultados positivos, até mesmo em um assentamento rural. O casal Sueli e Moacir José Bertussi, depois de serem beneficiados com a posse da terra em 2003 no assentamento Taperinha, no município de Campo Verde (131 Km ao Sul de Cuiabá), passou a se dedicar à criação de suínos e frangos semi-caipiras, atividade que hoje garante o o sustento da família. Na propriedade existem cerca de 200 suínos, sendo 18 fêmeas. O trabalho é feito apenas pelo casal, sem funcionários. As duas filhas que estudam na cidade.

A tradicional granja de suínos, também chamada de Sistema de Produção de Suínos (SPS), é composta por um conjunto de componentes como homem, edificações e equipamentos, animais, alimentação e água, contaminantes e manejo do rebanho, sendo que todos esses componentes visam o mesmo objetivo, produzir carne suína de qualidade.

Esse sistema exige bons reprodutores, ótimo ambiente e técnicas de manejo saudáveis. Quanto ao tamanho, um SPS pode ser considerado de pequeno porte se possuir menos de 40 matrizes, de médio porte se tiver de 40 a 100 matrizes e de grande porte no caso de mais de 100 matrizes.

Na propriedade de Moacir, o sistema é completo. Ele trabalha desde a reprodução dos animais até o abate, feito em dias alternados. Quanto a comercialização, vende em açougues de Campo Verde e também para clientes que o visitam em sua propriedade. Os preços variam, os leitões com menos de 15 quilos são vendidos a cerca de R$ 15,00 o quilo. Com mais de 15 kg o valor é de R$ 10,00 (quilo).

Na criação intensiva, os animais são criados confinados em baias ou gaiolas, num terreno relativamente pequeno - proporcional ao tamanho de sua granja. Apresentando preocupação com a produtividade e economicidade do sistema.

Existem três tipos de criação intensiva: ao ar livre, em que os animais ficam em piquetes, exceto nas fases de crescimento e terminação, nas quais ficam confinados; tradicional, em que se utiliza os piquetes apenas para os machos e para se fêmeas em cobertura ou gestação; confinado, em que os animais de todas as categorias permanecem sob piso e cobertura, podendo subdividi-los por fases em vários prédios, sistema utilizado por seu Moacir e sua esposa.

Os animais são abatidos, segundo ele, quando completam um ciclo de 90 dias. Contudo, há clientes que, às vezes, buscam animais ainda mais jovens.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink