Grãos dentados para silagem de alta qualidade

Agronegócio

Grãos dentados para silagem de alta qualidade

II Seminário de Silagem de alta qualidade da Biomatrix
Por:
1307 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.
Especialistas destacam escolha do híbrido correto e seus impactos na produção de carne e leite durante II Seminário de Silagem de alta qualidade da Biomatrix

A escolha de um híbrido específico para a produção de silagem de alta qualidade é um passo fundamental, pois ela define, muitas vezes, não só a qualidade da silagem, como também o impacto direto na produtividade do rebanho, defende o professor da Universidade Federal de Lavras (UFLA), Gilson Sebastião Dias Júnior, durante o II Seminário de Silagem de Alta Qualidade realizado pela Biomatrix. “Cada região, seja pelo ambiente, tipo de solo, fertilidade e níveis de investimentos na cultura do milho por parte do produtor, tem um híbrido mais indicado. Não adianta o produtor ter um hibrido de alto valor genético se ele não for adaptado para as condições de produção regional”.

“Devido a problemas e condições ambientais no Brasil, como a ocorrência de pragas de armazenamento, o desenvolvimento de pesquisas seguiu uma direção para a produção de grãos mais duros, com maior resistência ao ataque de pragas como carunchos, traças entre outros. E isso penalizou a produção de volumosos de alto valor nutritivo no trato diário de planteis de alta produção”, explica o professor.

A decisão focada em híbridos de grãos de fácil quebra ou maceração durante a picagem no campo proporciona maior participação de amido no volumoso, contribuindo para maior digestibilidade no trato digestivo dos animais, acrescenta o engenheiro agrônomo e coordenador Regional de Vendas da Biomatrix, Antônio Benedetti Júnior. “A escolha por híbridos de grãos moles ou dentados, que no conceito genético denominamos mais farináceos proporcionam maior digestibilidade e conversão de energia para o ruminante, resultando em aumento da produção de leite ou em ganho de peso em gado de corte em sistemas de confinamento e semi-confinamento”, afirma.

Desta maneira, o híbrido correto para a produção de silagem de alto valor nutritivo deve ter características agronômicas especiais com menor participação de fibras não digestíveis, melhorando o desempenho animal com maior participação de grãos desintegrados e ou macerados (energia) no processo da picagem no campo. Grande parte das sementes comercializadas no país não é indicada para a produção de silagens voltada para a melhor produção de carne e leite.

Silagem 
O uso de silagem de alta qualidade em dietas de gado de corte ou vacas leiteiras tem sido uma melhor alternativa, além de cada vez mais usada por produtores brasileiros. Os benefícios de ordem nutricional foram comprovados ao longo dos anos, com a manutenção do desempenho dos animais e uma importante redução nos custos com a alimentação, reduzindo o uso de concentrados. Entretanto, produzir uma silagem eficiente na conversão alimentar dos animais é uma discussão cada vez mais presente no campo. Estudos comprovam o impacto da qualidade da silagem na produtividade do rebanho. Por isso, produzir uma silagem de alta qualidade é hoje um dos desafios nutricionais mais importantes para os produtores de carne e leite.

Em uma comparação entre os híbridos disponíveis nos mercados brasileiro e norte-americano, Dias Júnior salienta que “os cinco melhores híbridos brasileiros ainda são inferiores a maioria dos americanos quando se leva em conta a digestibilidade dos animais, por exemplo”.

O médico veterinário e consultor da Biomatrix, Luis Eduardo Zampar, ressalta o desenvolvimento de variedades de grãos mais farináceos, do tipo dentados e semidentados, que possuem maior digestibilidade. “Alguns fatores têm grande impacto na produção animal e, mais importante, além do manejo correto do processo de ensilagem, é o correto ponto de corte, em que os grãos estão com a linha do leite pela metade quando quebramos a espiga e observamos a partir do meio dela, garantindo maior participação de amido na silagem com maiores teores de fibra e energia”, pontua.

O produtor da Fazenda Planalto, do município de Conceição das Alagoas, em Minas Gerais, Danilo Boldrini, destaca os benefícios do uso de silagem de alta qualidade. “A adaptação foi muito rápida, além de melhora na eficiência de ganho de peso. Trabalhamos com gado de corte e a nutrição representa boa parte do custo, por isso acredito que o silo de alta qualidade é um caminho sem volta”.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink