Grupo USJ alonga dívida e ganha escala para crescer
CI
Agronegócio

Grupo USJ alonga dívida e ganha escala para crescer

A boa remuneração para açúcar, aliada a uma política de redução de custos e de melhora do perfil de endividamento, ajudou o Grupo
Por:

A boa remuneração para açúcar, aliada a uma política de redução de custos e de melhora do perfil de endividamento, ajudou o Grupo USJ, um dos mais tradicionais do setor sucroalcooleiro do país, a obter um lucro líquido de R$ 26,5 milhões na temporada 2009/10, finalizada em 31 de março deste ano.

O resultado dá algum fôlego à empresa, após a turbulenta safra 2008/09, na qual o grupo teve prejuízo de R$ 188 milhões. Quando a crise mundial ficou aguda, provocando escassez de crédito e elevação de juros, a empresa tocava investimentos em duas usinas em Goiás.

Na temporada encerrada em março deste ano, o endividamento líquido da empresa ficou em R$ 1,115 bilhão, o equivalente a 7,3 vezes o lajida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), ou seja, a geração de caixa, que foi de R$ 151 milhões. Apesar da dívida volumosa, a empresa conseguiu alongar parte dela. Com isso, 79% dos débitos da empresa já são de longo prazo.

O presidente do Grupo USJ, Hermínio Ometto Neto, diz que a intenção é retomar lentamente a construção de sua terceira usina, a Cachoeira Dourada, localizada em município de mesmo nome em Goiás e cujas obras foram paralisadas com a crise. "Os principais equipamentos já estão instalados e representam 60% do projeto todo", diz Ometto. A nova unidade terá capacidade inicial de processamento de 2,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar para a produção de etanol e de energia elétrica.

O executivo prefere não fazer previsões sobre o desempenho econômico para 2010, mas ressalta que a usina São Francisco, segunda unidade do grupo inaugurada neste ano em Quirinópolis (GO), deve moer 4,8 milhões de toneladas neste ciclo, elevando a escala do grupo. "O volume é o dobro da nossa primeira usina, a São João (SP). Essa escala maior deve melhorar a condição financeira e a liquidez da empresa", diz Ometto, que é da quarta geração da família de José Ometto - filho dos italianos Antônio e Caterina Ometto que chegaram ao Brasil em 1887.

Na temporada 2009/10, a empresa elevou a margem lajida de 19,4% para 23,7%. O faturamento líquido do grupo também avançou de R$ 495 milhões para R$ 639 milhões. (FB)


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.