Agronegócio

Guedes garante agilidade nas verbas para defesa animal e vegetal

No projeto de lei orçamentária para 2007 foi incluída uma emenda parlamentar que torna os recursos para a defesa sanitária não contingenciáveis
Por: -Assessoria de Imprensa
2 acessos

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Luís Carlos Guedes Pinto, disse nesta quarta-feira (20-12) que no projeto de lei orçamentária para 2007 foi incluída uma emenda parlamentar que torna os recursos para a defesa sanitária não contingenciáveis. Isso significa que o orçamento destinado às ações de defesa possam ser aplicados em sua totalidade, a exemplo do que já ocorre com os recursos da pesquisa agropecuária.

A proposta de orçamento encaminhada ao Congresso prevê um volume de R$ 950 milhões para implementar as ações do Ministério da Agricultura no próximo ano, dos quais R$ 195 milhões serão destinados para a defesa agropecuária. Guedes afirmou que até 18 de dezembro foram executados 97,69% do orçamento da Pasta em 2006, totalizando R$ 794,262 milhões. Somente para as atividades da defesa sanitária o ministério executou R$ 122 milhões.

O ministro destacou a prioridade dada à modernização da rede de laboratórios oficiais nos últimos anos. “Praticamente quintuplicamos os recursos para equipar os laboratórios desde 2001”, afirmou. No biênio 2001/2002 foram aplicados R$ 15 milhões, em 2003/2004, R$ 35 milhões e em 2005/2006, R$ 80 milhões.

Carnes:

Guedes também comentou a manutenção do embargo da Rússia à carne suína produzida em Santa Catarina. Ele afirmou que o Ministério da Agricultura e o Ministério das Relações Exteriores estão fazendo gestões junto às autoridades sanitárias do governo russo para retomada das exportações. “A Rússia é o principal importador de carne suína do Brasil e Santa Catarina o principal Estado exportador, por isso é fundamental negociar o fim do embargo”.

O ministro lembrou que a Rússia já flexibilizou as restrições às carnes brasileiras e retomou as compras de produtos oriundos dos Estados do Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso e Goiás. O governo russo também voltou a comprar produtos cárneos e lácteos termoprocessados de todo País, inclusive do Paraná e do Mato Grosso do Sul, onde foram detectados focos de febre aftosa em outubro de 2005.

O ministro informou que o governo brasileiro está encaminhando à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) a documentação necessária para o reconhecimento internacional do Estado de Santa Catarina como área livre de febre aftosa. “No momento em que obtivermos a certificação internacional, podemos buscar novos mercados para a carne in natura, como Japão e Coréia, que só compram carne processada do Brasil”, informou. Em 2007 o Brasil deve enviar missões ao Chile, México e países do Oriente Médio, além dos asiáticos.

Agroenergia:

O ministro Guedes destacou a prioridade dada pelo governo federal ao setor da agroenergia. Segundo ele, o complexo sucroalcooleiro vai bater recorde em 2006. “Este ano nós vamos exportar aproximadamente 20 milhões de toneladas de açúcar, 3,3 bilhões de litros de álcool e com esse conjunto nós vamos ultrapassar US$ 8 bilhões”, disse.

Guedes lembrou o acordo firmado entre o governo da Flórida (Estados Unidos), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, com a proposta de intensificar a produção de etanol nas Américas e outros Países do mundo. “Embora esse processo não envolva diretamente o governo brasileiro, o Brasil é o maior produtor mundial de etanol e não podemos estar alheios ao tema”, comentou. O ministro disse que o Brasil produziu este ano 18 bilhões de litros de álcool e deve exportar mais de 3 bilhões de litros.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink