Guerra comercial impacta transporte de grãos

COMÉRCIO

Guerra comercial impacta transporte de grãos

A incerteza quanto ao que vai acontecer a seguir pode ser o principal motivo da instabilidade comercial
Por: -Leonardo Gottems
383 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

A disputa comercial travada desde o ano passado entre a China e os Estados Unidos, onde os dois países iniciaram um movimento bilateral de imposição de tarifas e retaliações relacionadas com a exportação, acabou impactando significativamente o mercado de grãos, principalmente em solo norte americano. De acordo com o portal especializado world-grain.com, o tamanho do impacto se compara ao surgimento dos cultivos geneticamente modificados, mas com a impossibilidade de se fazer um planejamento. 

Isso porque os dois lados concordaram com a suspensão de 90 dias da próxima escalada das tarifas dos EUA sobre os produtos chineses, que deveriam ser implementados até 1º de janeiro. Ou seja, trégua da guerra comercial manteve a escalada das tarifas já em vigor e retardou a implementação de novos obstáculos tarifários e não-tarifários ao comércio, mas não removeu a incerteza quanto o prosseguimento da disputa nos meses que seguirão a trégua. 

"Ninguém, nem mesmo os lados opostos neste conflito econômico em evolução, parece saber o que vai acontecer a seguir", disse Patrik Berglund, diretor executivo da Xeneta. “No início de dezembro, tivemos os presidentes Trump e Xi celebrando um aparente cessar-fogo na reunião do G-20 na Argentina, apenas para o caso da Huawei ilustrar rapidamente que as hostilidades estão longe de terminar”, completa. 

Ken Eriksen, vice-presidente sênior do IEG Vantage, explicou que o surto de hostilidade comercial fez com que compradores chineses trocassem suas compras pelo Brasil. Para ele, essa seria a principal causa da desordem nos mercados de grãos e transporte. 

“Quando as tarifas chegaram no início de julho, você viu o preço da soja cair, os preços subiram e o que aconteceu foi que os EUA foram bloqueados na China”, explicou. “E mesmo se o preço dos EUA fosse competitivo para a China com as tarifas em vigor, ninguém queria arriscar o transporte de soja para a China porque a China basicamente não queria permitir o cultivo de grãos nos EUA”, conclui.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink