Ibama faz vistoria em fazendas para transgênicos
CI
Agronegócio

Ibama faz vistoria em fazendas para transgênicos

Por:

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) deve concluir esta semana a vistoria em fazendas destinadas à pesquisa de campo com organismos geneticamente modificados. O órgão já recebeu 37 pedidos de liberação de áreas e autorizou, até agora, o plantio experimental de quatro espécies: mamão, feijão e batata da Embrapa e, na quinta-feira, milho da multinacional Dow Agrosciences.

A licença concedida à Dow - a primeira para uma empresa privada - libera o plantio experimental de uma variedade de milho transgênico resistente a insetos em Castro (PR) e é válida, inicialmente, por três anos. A empresa não comentou a decisão, mas segundo técnicos do Ibama, a Dow Agrosciences está aguardando a liberação de outras duas áreas, em Jardinópolis (SP) e Indianápolis (MG), para iniciar até dezembro o plantio do milho transgênico. As licenças devem sair nos próximos dias.

Outras empresas, como Monsanto e Basf, também devem receber em breve autorização para pesquisas de campo com organismos geneticamente modificados.

Até agora, o Ibama não recebeu qualquer pedido para produção comercial de culturas transgênicas. Os técnicos do Ibama já vistoriaram 28 fazendas e não constaram, em nenhuma delas, problemas sérios com relação à segurança ambiental.

Esta semana serão vistoriadas duas áreas, uma da Monsanto no Rio Grande do Sul, que deverá servir para experimentos de campo com soja modificada, e outra da International Paper, em São Paulo, onde a empresa quer prosseguir com as pesquisas para desenvolver um tipo de eucalipto que reduz a necessidade de uso de produtos químicos na fabricação de papel.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink