IBGE aponta safra recorde de 129,4 milhões de toneladas
CI
Agronegócio

IBGE aponta safra recorde de 129,4 milhões de toneladas

Na segunda avaliação da safra de 2007, o IBGE mostra aumenta 1,2% na produção
Por:

Na segunda avaliação da safra de 2007, o IBGE estima uma produção de 129,4 milhões de toneladas, 11,0% superior à obtida no ano passado (116,6 milhões de toneladas).

A segunda estimativa de safra para este ano, segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA1), apurou variação positiva, em relação a 2006, para os seguintes produtos: algodão herbáceo em caroço (27,0%), amendoim em casca 2ª safra (25,4%), aveia em grão (24,9%), cevada em grão (26,6%), feijão em grão 1ª safra (35,1%), feijão em grão 3ª safra (7,2%), mamona em baga (82,1%), milho em grão 1ª safra (14,3%), milho em grão 2ª safra (20,0%), soja em grão (8,5%), trigo em grão (46,0%) e triticale (17,3%). Com variação negativa, destacam-se o amendoim em casca 1ª safra (11,3%), o arroz em casca (4,0%), o feijão em grão 2ª safra (7,0%) e o sorgo em grão (9,5%).

Nesta previsão da safra nacional de grãos2 para 2007, estima-se uma produção total de 129,4 milhões de toneladas, 1,2% maior que a prevista em janeiro (127,9 milhões de toneladas) e 11,0% superior à do ano passado, que foi de 116,6 milhões de toneladas.

Entre as grandes regiões, os volumes de produção esperados (e as variações em relação a 2006) são: Norte, 3,5 milhões de toneladas (2,97%), Nordeste, 11,8 milhões de toneladas (8,25%), Sudeste, 16,1 milhões de toneladas (13,37%), Sul, 56,5 milhões de toneladas (42,02%) e Centro-Oeste, 41,5 milhões de toneladas (33,39%).

A segunda estimativa de safras para este ano, em relação ao mês anterior, foi a seguinte: no feijão em grão 1ª safra (-3,4%), feijão em grão 2ª (-11,1) milho em grão 1ª safra (1,2%), milho em grão 2ª safra (8,5%) e soja em grão (0,5%). Com variação negativa, destaca-se as lavouras de feijão. Os seguintes estados, tais como, Minas Gerais (-3,6%), Paraná (-2,2%) e Goiás (-29,1%) obtiveram essa variação devido ao excesso de chuva nas lavouras.

Para o feijão 2º safra observa-se decréscimo de 11,1% na produção deste mês, devido aos preços pouco atrativos. O Paraná, maior produtor nacional, espera colher 276 mil toneladas, 37,3% a menos que no mês anterior.

Quanto ao milho, tanto na 1º safra quanto na 2º à variação foi positiva, sendo 1,2% e 8,5% respectivamente. A plantação apresentou esta variação em razão dos bons preços atuais praticados na comercialização. As produções esperadas são de 36,0 milhões de toneladas para a 1º safra e 13,2 milhões de toneladas para a 2º. No Paraná, o ajuntamento dos preços, às condições climáticas favoráveis e a tecnologia levaram a soja, em fevereiro, a expandir a produção em 0,5%, o que provocou um aumentou significativo na sua produção (2,2%) e em sua produtividade (4,0%), gerando 12,1 milhões de toneladas com rendimento de 3.76kg/ha. Em nível nacional a produção esperada, para este ano, é de 56,6 milhões de toneladas dessa oleaginosa, contra 52,2 milhões de toneladas em relação ano anterior.

Numa área plantada de 45,4 milhões de hectares, houve retração de 0,1% em relação 2006. Entre os produtos investigados, a soja e o milho 1ª safra são os que apresentam maiores áreas plantadas, com respectivamente, 20,7 e 9,4 milhões de hectares cultivados em 2007.

Ressalta-se que a colheita das culturas temporárias, com ênfase para a soja e o milho, já se iniciou nos pólos onde a semeadura foi implantada mais cedo, e que as condições de tempo se acham favoráveis. No entanto, na região Centro-Oeste notadamente em Goiás e Mato Grosso, o excesso de chuvas vem prejudicando a colheita da soja em algumas localidades. No próximo levantamento de março, já poderemos informar a extensão da ocorrência desse tipo de dano.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink