Agricultura

IBGE aponta safra recorde este ano no Piauí com crescimento de 177% na colheita

Previsão é de colheita em 3,6 milhões de toneladas para este ano. Principais culturas enfrentaram seca em 2016.
Por:
56 acessos

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (09) Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. A pesquisa do instituto mostrou um recorde para este ano na produção agrícola total, que envolve todos os produtos produzidos no estado. A previsão é de um crescimento de 177% na colheita para 2017.

O levantamento mostra que considerando a soja, milho, feijão, arroz, algodão e fava o total da colheita alcançou 3,6 milhões de toneladas de estimativa, o que representa um aumento superior a 100%. Segundo o instituto é um aumento impulsionado pela grande seca envolvendo o Piauí e as áreas produtivas. Em 2016 a colheita ficou em 1,5 milhão de toneladas aproximadamente.

A previsão do IBGE é que a medida que os números se confirmem o Piauí seja o 12° na participação relativa da produção agrícola do Brasil, atingindo 1,5% do total nacional. Ao se considerar a produção de soja a previsão é que este ano a produção fique em 2 milhões de toneladas, valor 212% maior que no passado. Já para o ano que vem a previsão inicial é de queda em 13,2%.

Tendência semelhante é observada em relação ao milho com crescimento de 140,5% em 2017 e queda de 16,6% para 2018. Estima-se que se colham no Piauí 1,4 milhão de toneladas de milho este ano. Em relação ao milho a principal alta é em relação à segunda safra, com crescimento previsto na colheita para 251% na comparação com o ano anterior. Já na projeção para 2018 a principal queda promete ser na primeira safra, com 21,4% de redução.

Segundo o IBGE a produção de feijão deve ficar 210% superior a 2016, com uma colheita de 68 mil toneladas. Já para 2018 o prognóstico da produção contempla uma queda de 11,2%. Em relação às outras culturas, o feijão deve ter uma queda de 6,4% na segunda safra, seguida de outra de 11,9% na primeira safra de 2018 e um crescimento de 15,6% na segunda safra do ano que vem.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink