IG é o caminho para qualidade e valorização do café brasileiro
CI
Agronegócio

IG é o caminho para qualidade e valorização do café brasileiro

Saiba como iniciar o trabalho em busca do registro
Por:
A busca por cafés de qualidade é uma tendência crescente na produção e no mercado cafeeiro mundial. No Brasil, além das pesquisas, os processos de Indicação Geográfica (IG), que ganham força nas regiões produtoras, são fatores que tem contribuído para a qualidade do café. O programa Prosa Rural desta semana, uma produção da Embrapa Informação Tecnológica em parceria com Embrapa Café, vai tratar dessa nova filosofia de produção que agrega valor ao produto agropecuário pela sua qualidade, especialidade e tipicidade, respeitando a origem e os processos humanos envolvidos na produção. Entre os assuntos que o Prosa Rural abordará, estão informações básicas sobre como iniciar o trabalho em busca do registro de IG e como a pesquisa têm um papel importante a cumprir neste caminho.

O que é Indicação Geográfica? – Segundo o Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (Inpi), órgão do Governo Federal responsável por emitir os registros, as Indicações Geográficas se referem a produtos ou serviços que tenham uma origem geográfica específica. Seu registro reconhece reputação, qualidades e características que estão vinculadas ao local. Elas comunicam ao mundo que uma região se especializou e tem capacidade de produzir um artigo diferenciado e de excelência.

As Indicações Geográficas no Brasil podem assumir duas modalidades: Indicação de Procedência (IP) e Denominação de Origem (DO). São dois registros diferentes, que não possuem uma hierarquia ou ordem de solicitação, e que geralmente são representados nos produtos por um selo. O registro de Indicação de Procedência garante a tradição histórica da produção do café em certa região. Já a Denominação de Origem indica que as características de qualidade e sabor do café se devem exclusivamente ao ambiente onde é produzido e aos processos e tecnologias utilizados naquele território.

Para a utilização de um desses registros, ou dos dois, o produtor precisa estar inserido dentro da região demarcada e atender ao regulamento de uso estabelecido pela Associação detentora da IG. Grande parte do sucesso da IG está na organização e na união dos produtores rurais, uma vez que a IG é um bem coletivo.

O programa Prosa Rural sobre Indicação Geográfica trará informações para os produtores que se interessam em solicitar os registros, exemplos de associações que já conquistaram o registro de IP no Brasil, assim como a experiência do projeto de pesquisa que envolve instituições como Embrapa Café, Universidade Federal de Lavras (Ufla), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Instituto Agronômico (IAC), Universidade de Brasília (UnB), Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e Universidade de Lisboa (FCUL), junto com produtores da Região de Serra da Mantiqueira, no sul de Minas Gerais, da Associação dos Produtores de Café da Mantiqueira (Aprocam). O projeto conta com apoio do programa de pesquisa Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café, com recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Funcafé/Mapa).

Depois da conquista da IP, eles buscam agora a Denominação de Origem. “Os resultados que conseguimos com esse projeto foram excelentes. Conseguimos reunir todos os elementos necessários para darmos entrada à solicitação da DO até o final desse ano”, comemora o pesquisador coordenador do projeto, Flávio Meira Borém, da Ufla.

“O Selo de Indicação de Procedência traz várias vantagens, tais como proteção e reconhecimento do território, agregação de valor ao produto e desenvolvimento sustentável. Um ganho para todos os envolvidos. Além disso, mostra que o Brasil e o setor cafeeiro estão despertando cada vez mais para a importância de demarcar suas origens e agregar valor ao trabalho de milhões de pessoas que vivem no campo”, diz Helena Maria Ramos Alves, pesquisadora da Embrapa Café que participa da pesquisa na Serra da Mantiqueira.

Mais indicações a caminho – A Região do Cerrado Mineiro foi a primeira região produtora de café com Indicação Geográfica. A segunda é a Serra da Mantiqueira, também de Minas Gerais. Quatro outras regiões: Alto Paraíso e Terras Altas, no sul de Minas, Norte Pioneiro do Paraná e Alta Mogiana, em São Paulo, figuram na lista de pedidos para concessão de algum registro de Indicação Geográfica. Tanto na modalidade de Indicação de Procedência, quanto na de Denominação de Origem, associações se organizam para o registro e elaboram planos de divulgação da imagem de seu território dentre as origens produtoras de cafés diferenciados.

Com isso, o café brasileiro continua crescendo no mercado nacional e internacional não só pela quantidade, mas ganhando cada vez mais destaque na qualidade.

O Prosa Rural também pode ser ouvido no site oficial do programa. Acesse.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink