Ihara investe e acredita no Algodão Adensado

Agronegócio

Ihara investe e acredita no Algodão Adensado

Primeiros resultados começam a aparecer no Cerrado Mato Grossense
Por: -Renata
353 acessos
Fatores como câmbio, mão-de-obra e fertilizantes fizeram com que o custo produtivo do algodão brasileiro subisse mais que sua produtividade, provocando uma queda acentuada da cultura no país. Diante disso a Ihara, tradicional fabricante de defensivos agrícolas, juntamente com outras empresas, produtores e consultores se uniram para buscar uma solução sólida para a manutenção da cultura do algodão brasileiro.

Há cerca de dois anos a empresa vem, juntamente com um grupo de consultores denominado GBCA – Grupo Brasileiro de Consultores do Algodão, visitando e pesquisando um novo modelo de plantio para o cerrado brasileiro: o Algodão Adensado.

A técnica consiste em reduzir os tamanhos das plantas, permitindo que um número maior de pés possa ocupar uma mesma área e com um ciclo produtivo menor, aumentando a produtividade e reduzindo os custos. No Brasil, a maior parte das plantas de algodão mede cerca de 1,20 m e as linhas de plantio que os separam são de cerca de 90 cm, permitindo, em média, o plantio de 120 mil plantas por hectare em um ciclo produtivo que pode durar até 220 dias. Já o algodão adensado mede menos de um metro, devido ao uso de produtos reguladores de crescimento, e suas linhas de plantio são de cerca de 45 cm. Com isso cada hectare tem de 180 a 250 mil plantas, com um ciclo produtivo de 150 dias.

Recentemente a empresa visitou, juntamente com o GBCA, a maior plantação de algodão adensado no Brasil, realizada pelo Grupo BDM. É a primeira vez que há uma tentativa, em larga escala, de se plantar o algodão com a nova técnica. “Estamos entrando nisso com responsabilidade, investimos em nossa primeira safra de adensado, não por opção, mas por necessidade”, explica Sérgio De Marco, do BDM.

E a necessidade está trazendo bons resultados. “Este é o início de um trabalho com o algodão adensado e já é possível perceber a evolução. Problemas como o da colheita estão sendo superados, e agora trabalhamos para buscar a melhor qualidade possível dentre as variedades disponíveis”, explica o agrônomo Michel Tomazela, da Ihara.

A Ihara tem acreditado e investido nessa nova técnica, buscando difundir o novo conceito entre os produtores. Para isso promove constantemente dias de campo levando informações sobre a nova técnica de plantio de algodão.

As informações são da assessoria de imprensa da Ihara.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink