Indonésia passa Egito como maior importador de trigo

USDA

Indonésia passa Egito como maior importador de trigo

Redução da demanda da Índia, União Europeia, Irã, Brasil e México
Por: -Leonardo Gottems
210 acessos

De acordo com o último boletim mensal de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), a Indonésia superou o Egito como principal importador mundial de trigo. “A Indonésia, junto com vários países africanos foram os responsáveis pelo aumento das exportações em 0,46%, mesmo com a redução da demanda da Índia, União Europeia, Irã, Brasil e México”, aponta a Consultoria Trigo & Farinhas. 

Os estoques finais mundiais foram reduzidos em 1.900 milhões de toneladas neste mês para 266,1 milhões, no entanto ainda permanecem acima da média dos anos anteriores. A disponibilidade global de trigo para a safra 2017/18 voltou a ser reduzida em 0,72%, ou 1.920 milhões de toneladas, tendo apenas a produção global aumentada em 0,16% 1,24 milhão de toneladas devido principalmente ao maior volume dos estoques finais da Argentina e da Ucrânia. 

O USDA elevou a produção argentina em 500 mil toneladas por processos pós-colheita e em 481 mil toneladas a Ucraniana com base nas atualizações do governo local. As exportações globais aumentaram em 800 mil toneladas com o aumento da exportação no Canadá, Rússia e Argentina compensando a queda da Europa e EUA.

O relatório do USDA reduziu em 21,2% o estoque final de trigo da Argentina para 2017/18, após ter aumentado em 5% a exportação do país. A forte exportação compensou o aumento de 13,64% do estoque inicial e o aumento da produção, segundo o USDA, em processos pós-colheita. 

“Nossa leitura para este novo quadro é de perspectiva de alta nos preços a médio e longo prazos, devido à redução da aumentou o estoque inicial em 3,67% ou 8 mil toneladas, reduziu o total importado em 20 mil toneladas e reduziu em 25% o total exportado. Com isso o nosso estoque final foi elevado em 5,23%. Um saldo de 1,61 milhão de toneladas para a temporada 2017/18”, afirmou o analista Luiz Fernando Pacheco. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink