Investimentos chineses no Brasil deverão aumentar

Agronegócio

Investimentos chineses no Brasil deverão aumentar

Wagner Rossi, apresentou os resultados da missão à China
Por:
2034 acessos
Viagem à China contribui para a possibilidade de empreendimentos em conjuntos e troca de experiências na área técnica

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wagner Rossi, apresentou os resultados da missão à China, em entrevista coletiva nesta terça-feira, 19 de abril. O ministrou anunciou uma série de investimentos e de acordos de cooperação técnica que poderão ser assinados pelos dois países em breve.


Rossi disse que os encontros realizados durante a viagem demonstram o interesse do empresariado chinês de participar de projetos na infraestrutura do Brasil, principalmente nas áreas portuária, ferroviária, hidroviária e intermodal de transportes.

“O Brasil tem todo o interesse em parcerias no setor de produção e de comercialização de produtos agrícolas. Queremos abrir novas possibilidades para receber empresários interessados concretamente em áreas da agricultura brasileira”, afirma.

Segundo o ministro, existem muitas formas de cooperação entre Brasil e China na área de agricultura. As principais são os investimentos diretos em iniciativas de logística e os negócios com pagamento em produtos, que permitem aos grandes compradores chineses de alimentos fazer contratos com empresas e produtores brasileiros.

Outra possibilidade é a captação de recursos por meio de mercados de capitais – ações e fundos de investimento – e formação de joint ventures, em que empresas brasileiras e chinesas podem se associar com o capital nacional para projetos no Brasil.

“O melhor exemplo disso são os empreendimentos chineses em Goiás e no oeste da Bahia, onde está sendo implantando um complexo de esmagamento de soja que vai gerar uma repercussão muito importante. Vamos exportar um valor com produto agregado maior para a China, que receberá o produto pronto”, destaca.


Cooperação técnica mais próxima

De acordo com Rossi, a possibilidade de parcerias em projetos de pesquisa ficou ainda mais próxima com a instalação de um laboratório virtual da Embrapa (Labex), em Pequim.

O ministro informou que já existem áreas de cooperação estabelecidas entre os dois países nas áreas de minério e petróleo, por exemplo –, mas afirmou que o Brasil pretende estender as trocas para outros setores da agricultura, como a genética de plantas.

A pecuária é outro segmento que vem despertando o interesse dos chineses, principalmente, em relação à exportação de sêmen e embriões de bovinos brasileiros. O Brasil é referência mundial em biotecnologia de reprodução bovina e ofereceu cooperação técnica para desenvolvimento de raças zebuínas no país asiático.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink