Junho de 2016 muito similar a junho de 2015; mas só para o frango.

Agronegócio

Junho de 2016 muito similar a junho de 2015; mas só para o frango.

É lógico e natural concordar que este mês de junho não tem nada de parecido ou similar ao junho de um ano atrás.
Por:
1382 acessos

É lógico e natural concordar que este mês de junho – que ora fecha o primeiro semestre de 2016 – nada tem de parecido ou similar ao junho de um ano atrás. Pois, nesse espaço de tempo, muita coisa mudou. E não só no Brasil.

Mas, ficando só com o País, mudou a política, mudou o governo, mudou a economia. Mudou até o clima, hoje mais amigável. Da mesma forma que mudaram as condições de consumo, agora totalmente deterioradas. Por fim (mas não por último), mudaram – radicalmente, de forma jamais vista – os custos de produção do frango.

A relação, com certeza, irá muito mais além. E só faz aumentar a surpresa frente à constatação de que a única coisa que não mudou foi o comportamento do mercado de frangos vivos. Pois, apesar de todas as diferenças ao seu redor, ele teve (pelo menos até ontem) desempenho absolutamente similar ao de junho de 2015.

O gráfico abaixo comprova isso, mostrando que – tirante as diferenças nas datas de reajuste (influência, sobretudo, dos finais de semana, quando não há negociações) – o que aconteceu em junho corrente foi cópia fiel do ocorrido no mesmo mês do ano passado.

Assim, da mesma forma que há um ano, neste junho o frango vivo comercializado no interior paulista obteve nove ajustes de cinco centavos cada. Portanto, nas duas ocasiões experimentou valorização de 45 centavos. 

A despeito das coincidências, alguma diferença ocorreu, visto que o preço médio deste mês ficou 13% acima do registrado em junho de 2015. E isto, claro, influenciou o índice de variação entre o primeiro e o último dia do período. Dessa forma, enquanto há um ano o frango vivo fechou junho valendo quase 21% mais que no início do mês (de R$2,15/kg para R$2,60/kg), desta vez o “ganho” não passou de 18% (de R$2,50/kg para R$2,95/kg).

Em síntese: tudo de diferente que possa ter ocorrido ao seu redor ou ter influenciado seu comportamento, foi ignorado pelo frango vivo. Seus preços continuaram acompanhando a curva sazonal, independentemente das eventuais variações da oferta, do agravamento das condições de produção ou, ainda, da degeneração do consumo.

Eventualmente, nesta quinta-feira, 30 - derradeiro dia do primeiro semestre – pode ocorrer alguma alteração no preço praticado desde 16 de junho – dificilmente para cima, apesar de este ser o melhor dia da semana para a comercialização do frango vivo. Mas isso em pouco altera o que aqui foi observado.

Agora, é torcer para que o comportamento de junho corrente – que se repete há, pelo menos, cinco anos – tenha prosseguimento em julho. Habitualmente, no início do segundo semestre, prossegue a valorização iniciada no mês anterior. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink