Justiça nega pedido do MPF de proibição do herbicida mais usado no Brasil
CI
Agronegócio

Justiça nega pedido do MPF de proibição do herbicida mais usado no Brasil

Falta do 2,4 D reduziria produtividade agrícola
Por:
A Justiça negou pedido do Ministério Público Federal para retirar imediatamente do mercado de um dos herbicidas mais utilizados no Brasil: o 2,4 D, que consta da fórmula de 46 agroquímicos comercializados no país.  Ao proferir a sentença, o Juiz Federal observou que, não por acaso, o 2,4-D possui registro em mais de 70 países. Trata-se de uma das substâncias químicas mais estudadas no mundo, uma vez que mais de 40 mil estudos já foram realizados por diversas instituições de pesquisa dos vários continentes.
 
Ao justificar a não concessão da chamada “tutela antecipada!”, com proibição imediata do uso do 2,4-D, a Justiça também considerou que toda a população do país, que depende da agricultura brasileira, seria prejudicada. Foi negado, ainda, o pedido de suspensão da tramitação na Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CNTBio) do processo de liberação de sementes transgênicas tolerantes à 2,4-D.
 
Na semana passada, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) havia alertado para o fato de que a suspensão abrupta de agroquímicos sem similar no mercado, ou cuja alternativa patenteada custa até dez vezes mais caro, provocaria queda de produtividade agrícola e teria forte impacto no preço dos alimentos, com consequente alta da inflação.
 
Neste sentido, a conclusão da Justiça foi de que não se pode, abruptamente, excluir do mercado um produto de largo uso da agricultura sem base em estudos conclusivos e sem que tenha havido amplo debate nos foros apropriados. Afinal, trata-se de um defensivo reconhecidamente eficaz no combate às ervas daninhas e, portanto, responsável por ganhos de produtividade e pelos seguidos recordes de produção agrícola.
 
A Justiça Federal do Paraná também já se manifestou nesta mesma linha, ao julgar improcedente um pedido idêntico, onde foram produzidas provas periciais, demonstrando que o 2,4-D não causa danos aos lençóis freáticos e tampouco às aguas superficiais, e que tampouco existe evidência de que possa representar perigo ao meio ambiente e à saúde humana.
 
Na sentença, o juiz afirmou, ainda, que o autor da ação civil pública associou, equivocadamente, o 2,4-D ao Agente Laranja ( 2,3,5-T), componente químico que jamais utilizado na agricultura brasileira.
 
O caso foi parar na Justiça por conta da demora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em reavaliar os agroquímicos uma vez que foi a própria Agência que, ainda em 2006, editou portaria anunciando a reavaliação do 2,4 – D. A lei prevê prazo de 120 dias para que a Anvisa divulgue o resultado deste trabalho, o que até hoje não ocorreu.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink