La Niña deverá permanecer durante o verão e outono no Hemisfério Sul


Agronegócio

La Niña deverá permanecer durante o verão e outono no Hemisfério Sul

Deficiência hídrica já compromete o bom desenvolvimento de algumas lavouras
Por: -Janice
6892 acessos
As precipitações ocorridas no mês de dezembro seguiram o mesmo comportamento observado em novembro, ou seja, chuvas abaixo da média e com distribuição muito irregular, em todo o Paraná. O menor volume de precipitação observado nestes últimos dois meses provocou uma diminuição significativa da umidade no solo na maior parte do Paraná, principalmente nas áreas produtoras de grãos. Conforme o meteorologista Renato Lazinski, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), esta deficiência hídrica no solo, já começa a comprometer o bom desenvolvimento de algumas lavouras (soja e milho), principalmente nas áreas mais ao norte e oeste do estado. As lavouras do sul do Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, parte do Paraguai e Argentina, vem sofrendo com as conseqüências da estiagem.

As condições climáticas globais seguem mostrando que as águas superficiais na área oceânica do Pacífico Equatorial, continuam mais frias que o normal (anomalias negativas de até 2°C), (Figura 1). "Estas anomalias negativas mostram que o fenômeno climático “La Niña” segue em atividade, conforme observamos nos meses anteriores", observa. A maioria dos prognósticos climáticos de longo prazo segue indicando a continuidade do “La Niña”, com atividade moderada durante todo o verão 2011/2012 e outono no Hemisfério Sul (Figura 2).
 

 

Esta configuração de “La Niña” deve continuar afetando a distribuição do regime de chuvas, em especial no centro-sul da América do Sul, incluindo o Paraná. Continua a previsão climática, para a estação verão/outono, de um clima mais seco, com precipitações apresentando uma distribuição muito irregular e volumes abaixo da média, que devem provocar um impacto na agricultura. As frentes frias devem continuar passando pelo Sul do Brasil com fraca atividade, e consequentemente deverão ser observados volumes menores de precipitação. “Vale salientar que em anos como este, que observamos variações bruscas nas temperaturas, a ocorrência de queda de granizo é maior”, diz Lazinski.

Conforme o meteorologista, as temperaturas devem continuar apresentando os extremos observados nos últimos meses, intercalando períodos um pouco mais quentes para a época do ano com quedas acentuadas de temperaturas.

Acompanhe a previsão do tempo para todo Brasil no Agrotempo, do Portal Agrolink.
 
Colaborou Lucas Amaral

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink