La Niña exige atenção dos agricultores
CI
Agronegócio

La Niña exige atenção dos agricultores

Os produtores de soja e milho, por exemplo, devem ficar atentos às mudanças climáticas
Por: -Marianna
“La Niña e Tendência Climática da Primavera/Verão” foi o tema da palestra de Solismar Prestes, chefe do Distrito de Meteorologia do Rio Grande do Sul do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), que aconteceu nesta quarta-feira (01-09) durante a Expointer 2010.

O meteorologista explicou a diferença entre o El Niño e o La Nina, que são dois fenômenos opostos. Enquanto o El Niño se caracteriza pelo aumento da temperatura das águas no oceano Pacífico e pela probabilidade de chuvas acima da média no sul do país, no La Niña a temperatura destas águas diminui e a tendência é de chuvas abaixo da média.

Desde junho, o La Niña tem causado o resfriamento o Pacífico. “A previsão é de que a temperatura das águas deste oceano continuem abaixo da média até fevereiro de 2011”, afirmou Solismar. O pico, segundo o especialista, deve ocorrer nos meses de novembro e dezembro, mas as conseqüências do fenômeno devem ser sentidas até maio do próximo ano.

A produção gaúcha de arroz não deve ser afetada, já que é feita por meio de irrigação. Já os agricultores que cultivam soja e milho, por exemplo, devem ficar atentos às mudanças climáticas.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink