Febre aftosa

Lideranças catarinenses comemoram reconhecimento do Brasil como livre de aftosa com vacinação

Brasil conquista status sanitário de zona livre de febre aftosa com vacinação
Por:
289 acessos

Brasil conquista status sanitário de zona livre de febre aftosa com vacinação. Para comemorar essa conquista, lideranças do agronegócio catarinenses se reúnem na quinta-feira (5), às 10 horas, no Mogano Premium Hotel, em Chapecó. O secretário adjunto da Agricultura e da Pesca, Athos de Almeida Lopes Filho, estará presente no evento, organizado pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC).

O ato é denominado Dia “A” da Plena Erradicação da Febre Aftosa no Brasil e terá a participação do Governo do Estado, o Ministério da Agricultura, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), os Sindicatos Rurais e outras organizações estatais e privadas ligadas à agricultura e ao agronegócio, além de lideranças, produtores e empresários rurais.

Santa Catarina está um passo a frente do restante do país e, desde 2007, é reconhecido como livre de febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Há mais de dez anos, o estado se mantém como o único do país a conquistar esse status sanitário diferenciado.

A certificação da OIE contribuiu para que Santa Catarina se tornasse o maior produtor de suínos e o segundo maior produtor de aves do país, exportando seus produtos para os mercados mais exigentes do mundo.

Histórico 

O último foco de febre aftosa em Santa Catarina aconteceu em 1993 e a partir de 2000 foi suspensa a vacinação contra a doença. Em 25 de maio de 2007 representantes do Governo do Estado compareceram à Assembleia Mundial da OIE, onde receberam o certificado que faz do estado uma zona livre de febre aftosa sem vacinação.

Manutenção do status sanitário
Para manter o status sanitário diferenciado, os esforços são imensos. A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) mantém 63 barreiras sanitárias fixas nas divisas com Paraná, Rio Grande do Sul e Argentina que controlam a entrada e a saída de animais e produtos agropecuários. Além do controle do trânsito de animais e produtos de origem animal nas fronteiras, em Santa Catarina todos os bovinos e bubalinos são identificados e rastreados.

Já que é proibido o uso de vacina contra febre aftosa em todo o território catarinense, não é permitida a entrada de bovinos provenientes de outros estados. Para que os produtores tragam ovinos, caprinos e suínos criados fora de Santa Catarina é necessário que os animais passem por quarentena tanto na origem quanto no destino e que façam testes para a febre aftosa, exceto quando destinados a abatedouros sob inspeção para abate imediato.

O Governo do Estado mantém ainda um sistema permanente de vigilância para demonstrar a ausência do vírus de febre aftosa em Santa Catarina. Continuamente, a Cidasc realiza inspeções clínicas e estudos sorológicos nos rebanhos, além de dispor de uma estrutura de alerta para a investigação de qualquer suspeita que venha a ser notificada pelos produtores ou por qualquer cidadão. A iniciativa privada também é uma grande parceira nesse processo, por meio do Instituto Catarinense de Sanidade Agropecuária (Icasa).

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink